É possível ficar 12 jogos sem levar gol? Veja os próximos desafios do Palmeiras

É possível ficar 12 jogos sem levar gol? Veja os próximos desafios do Palmeiras

(Foto: César Greco/Ag. Palmeiras/ Divulgação)

Felipão chegou ao Palmeiras com a missão de salvar o ano de um time muitas vezes rotulado como acomodado, que sofria para manter um resultado favorável e que também levava muitos gols. Em menos de um mês de trabalho, Scolari conseguir implementar a sua identidade e os números do novo velho técnico já falam por si.

Desde que Roger Machado deu adeus ao comando da Sociedade Esportiva Palmeiras, foram 7 jogos, sendo 5 vitórias, 2 empates e nenhum gol sofrido. Esta é apenas a quinta vez na história em que o Palmeiras consegue ficar 7 jogos sem sofrer gols. A última havia sido em 1992.

A maior marca aconteceu em 1987, quando o Palmeiras ficou 12 jogos com a defesa intacta. Histórica. Existe para ser quebrada.

Será que o time de Luiz Felipe Scolari pode igualar a marca? Analisamos os próximos cinco jogos do Verdão para tentar adivinhar se isso será possível. Confira!

Botafogo - Brasileirão (Allianz Parque)
O Botafogo vem de uma má fase no campeonato. Após perder por 3 a 0 do Galo no Engenhão, a equipe carioca visita o Palmeiras precisando da vitória. Com apenas 18 gols marcados, o Botafogo tem um dos piores ataques da competição. Palmeiras deve atuar com a zaga titular. Grande chance de conseguir manter a invencibilidade.

Internacional - Brasileirão (Beira-Rio)
Este duelo com certeza será a prova de fogo para a zaga de Felipão. O Internacional faz uma bela campanha no Brasileirão pós-Copa e possui um ataque de respeito, com Pottker, Nico López e o provável estreante Paolo Guerrero. O Palmeiras deve atuar com a sua zaga reserva, uma vez que o time enfrenta o Cerro Porteño durante a semana seguinte pela Libertadores, porém Luan e o Gustavo Gómez vem de duas atuações muito seguras. Promessa de grande desafio para o setor defensivo palmeirense. O Internacional possui o quarto melhor ataque do Brasileirão, com 29 gols feitos.

30213858088_ba87ea9de2_o
Antônio Carlos: de quase dispensado em 2017, para o grande nome da zaga palmeirense em 2018 (Foto: César Greco/ Ag. Palmeiras)

Cerro Porteño - Libertadores (Allianz Parque)
A partida de volta das oitavas de final da Libertadores também será um grande teste para a zaga do Verdão. Os paraguaios perderam o primeiro jogo por 2 a 0 e vão precisar buscar o gol de qualquer jeito em São Paulo. Há que se lembrar que no duelo em Assunção, o Cerro mostrou não ter um poder ofensivo tão forte. Em três jogos como visitante nesta Libertadores, o Cerro passou em branco em dois jogos e só marcou um gol, diante do Defensor do Uruguai no último minuto da partida.

Chapecoense - Brasileirão (Arena Condá)
A Chape também não faz uma boa campanha no campeonato. Com apenas 19 gols marcados neste primeiro turno, o time catarinense não deve dar tanto trabalho para a zaga do Palmeiras. Se quiser sair vencedor, o Palmeiras precisa acabar com um longo tabu, uma vez que o Verdão nunca venceu a Chapecoense jogando no sul do país.

Atlético-PR - Brasileirão (Allianz Parque)
Apesar da situação preocupante na tabela do Brasileiro, o Furacão vem se recuperando no campeonato. O time possui um ataque ágil, alto e perigoso que já balançou 20 vezes as redes no campeonato nacional. Pela Copa Sulamericana, o Atlético-PR eliminou o tradicional Peñarol em pleno Uruguai em uma grande goleada por 4 a 1, já no Brasileiro, o time de Raphael Veiga vem de uma grande vitória sobre o ex-vice líder Flamengo por 3 a 0.

É claro que no futebol fica muito difícil prever a possibilidade real de um time sofrer gol ou não. Tudo é muito suscetível a pequenos erros ou algum lance de azar. Ainda mais às coisas que são tão Palmeiras.

Fato é que não seria impossível o Palmeiras conseguir igualar a marca de 1987. Tanto os zagueiros titulares, quanto os reservas e o goleiro Weverton vêm demonstrando uma segurança absurda.

O time de Felipão tem unido competência, concentração e sorte, a trinca fundamental para os que vencem. E isso já significa muita coisa. Com ou sem recorde.

Veremos as cenas dos próximos capítulos...

Contribuiu - João Gabriel Falcade

  • Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim, 27 anos, detesta quem assiste ao jogo sentado e tem como grande ídolo Armando Nogueira. Formado em Jornalismo pela UMESP em 2012, cobriu a Copa do Mundo da Rússia pelo jornal Lance!