Ainda é cedo. Para empolgar e para cornetar

Ainda é cedo. Para empolgar e para cornetar

Foto: Cesar Greco/Ag. Palmeiras

O Palmeiras goleou o Ituano por 4 a 0 nesta última quarta-feira pela estreia do Paulistão 2020.

A maior vitória alviverde em dez anos no primeiro jogo da temporada pode ter iludido parte da torcida, mas a pesar da boa atuação do Verdão no segundo tempo, ainda é muito cedo para tirar qualquer conclusão sobre como será o time de Vanderlei Luxemburgo.

O próprio técnico afirmou em coletiva pós-jogo que Raphael Veiga está sendo sacrificado pela insistencia em escala-lo como um ponta. O camisa 23 mais uma vez ficou perdido em campo durante toda a primeira etapa, participando pouquíssimo da partida.

O mau inicio de Veiga nesses três primeiros jogos não pode transformá-lo em um jogador descartável. Luxemburgo acerta em preservar e dar confiança ao jogador em um momento que parte da torcida já quer miná-lo do clube.

Gabriel Menino surge como uma das grandes promessas do Verdão em 2020. Domingo, o garoto terá o seu primeiro grande teste com a camisa do Palmeiras. Ele que marcou um golaço no mesmo São Paulo, pela semifinal do Paulista Sub-20, no final de 2019, agora encara o grande rival do Palmeiras pelo profissional. Seu primeiro jogo grande como agora titular absoluto de Luxemburgo.

Zé Rafael também aparece como uma grata surpresa atuando como segundo volante. Com um gol e uma assistência em Itu, o camisa 8 pode ganhar a vaga de Ramires para o Choque-Rei.

Lucas Lima começa o ano voando e em duas partidas faz o que não fez durante o 2019 todo. Mas ainda precisa provar uma regularidade, principalmente em jogos grandes.

De repente o clube que não tinha um meia que preste, ganha pelo menos três novos nomes, com a volta de Gustavo Scarpa. É o grande desafio de Luxa recuperar o setor que passou um sofrido 2019.

Felipe Melo que muitos já decretavam que não iria dar certo como zagueiro, fez uma boa partida.

Ainda é muito cedo, tanto para empolgar quanto para cornetar.

  • Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim, 28 anos, detesta quem assiste ao jogo sentado e tem como grande ídolo Armando Nogueira. Formado em Jornalismo pela UMESP em 2012, cobriu a Copa do Mundo da Rússia pelo jornal Lance!