Amarcord: Colo-Colo 0 x 2 Palmeiras, Libertadores-09

Amarcord: Colo-Colo 0 x 2 Palmeiras, Libertadores-09

Meu texto no meu blog à época no LANCENET!

Quando o Palestra virou Palmeiras, nasceu campeão, em 1942.
Quando o Palmeiras vira Palestra, volta classificado com um jogador a menos, contra um rival (campeão da América em 1991) que era e estava melhor, na casa dele, e com um jogador a mais, em 2009.
Na partida que precisava vencer em Santiago, Luxemburgo começou com a surpresa Souza como volante ao lado de Pierre, com Marcão como terceiro zagueiro, Wendel enfim na ala direita, Armero espetado no ataque à esquerda, Cleiton Xavier para articular para Diego Souza (na frente, como no Recife) e Keirrison.
O Colo-Colo repetiu o mesmo bom time que vencera com brilho no Palestra. Só que, com 14 minutos, perdeu o melhor da equipe - Torres. O que pesou para um mau primeiro tempo chileno. O Palmeiras aos poucos foi se soltando e mandou duas bolas na trave com Keirrison.
Na segunda etapa, Luxa fez o certo ao escalar Willians para dar velocidade ao time. Era o caso de sacar Souza em vez de Wendel. Mas Luxa tirou o ala que deveria ser titular há muito tempo onde jogava Fabinho Capixaba, e manteve Souza (bom no jogo aéreo, e que se superou em campo). O Palmeiras, porém, foi se perdendo.
Pierre saiu machucado no tornozelo, com 14 minutos, depois de tentar permanecer em campo como fizera Dudu na final do SP-72, mesmo com costelas quebradas.
Marcão foi justamente expulso aos 17, deixando o Palmeiras exposto a um Colo-Colo que já era mais equipe, também porque Willians entrara mal.
Para piorar, nada criava o Palmeiras, e ainda perdeu machucado Diego Souza, aos 37.
Os dois melhores palmeirenses e o melhor chileno estavam fora por contusão. O Colo-Colo atuava com inteligência e tinha o jogo e a classificação aos pés. Talvez faltasse um pouco mais de ousadia ao time de Santiago.
Mas, por essas coisas da bola, e por esse gigante que é o Palmeiras, o Verdão cresceu quando mais nada se esperava.
Teve um lance com Willians. Outro com Maurício Ramos.
Até Cleiton Xavier dominar no meio e arriscar de longe, aos 41.
E mandar na gaveta do argentino Muñoz.
Um gol do tamanho do Palmeiras, da Libertadores, da camisa 10 verde, do futebol brasileiro.
Mais um gol para calar críticas, silenciar cornetas, berrar de peito aberto, dar cambalhota como se fosse criança.
Verissimo já disse que não há um modo adulto de torcer por um time.
Se ele pudesse ver cada palmeirense em cada canto do mundo celebrando o gol de Cleiton Xavier, mais uma vez ele teria razão.
Nem um Ademir da Guia das letras descreveria o que foi o gol - e que golaço! - de Cleiton Xavier.
Não sou eu que saberei descrever.
Até porque, não sei o motivo, virei um Benjamin Button nos últimos minutos desta quarta-feira.
ADENDO - Melhor ler Pedro, da comunidade do Palmeiras, no Orkut:

"MILAGRE - Na hora do Gol.
Lá estava eu, na minha cama escutando o jogo, aos 40 min do segundo tempo.
Quando o José Silverio aumentava a voz na Rádio Bandeirantes, eu me levantava, pulava e gritava.
Meu pai na sala, eu no quarto, com um dia especial em mente.
Quando a voz de José Silverio se altera, eu fico naquela expectativa, e de repente TUDO fica quieto, o mundo ficou quieto por 1 segundo. Só para gritar o Gol do Verdão.
Quando me levanto e o silêncio passa, eu escuto a voz dele assim:
Gool! E que GOLAÇO!
Puta que o pariu (Desculpe), você deve pensar, putz um menino nessa idade não consegue sentir o que eu senti na hora.
Errou!
Na hora que o Silverio falou “Gol”, eu pensei em chorar, rir, gritar; abri a janela, e gritei até minha garganta não aguentar, de tão áspera que ela ficasse.
Quando viro para trás, meu pai na porta, com um grande sorriso olhando para mim.
O que eu fiz? Corri pro abraço como se eu tivesse feito o gol no jogo.
Abracei ele e desmoronei; não parei de chorar, depois sentei na cadeira do computador e comecei a enxugar as minha lágrimas quase secas em meus olhos.
Quando fiquei em silêncio, escutei minha mãe no quarto dela (que já estava pronta para dormir), falar assim:

  • Esse já é um palmeirense de verdade.
    Logo depois, fui para a sala assistir com o meu pai ao final da partida. Nós na expectativa
    de acabar logo o jogo. Quando a bola vinha para a área, todos gritavam como se tivéssemos ensaiado:
  • Tira, tira, tira!
    Quando o juiz apitou, não sabia o que fazer. Corri no corredor em direção da minha mãe, e fiquei uns dois minutos abraçado com ela na cama, eu só chorando e ela falando:
  • Que presentão, hein?
    Depois disso, beijei um símbolo lindo, o do nosso Verdão.
    E sabe por que é um dia especial?
    Porque hoje, dia 30 de Abril de 2009, eu completo maravilhosos 13 anos de idade.
    E o Palmeiras me dando essa emoção de ser palmeirense, no meu dia mais querido.
    Desculpa qualquer coisa".

É muito melhor ler um velho torcedor de 13 anos.

  • Mauro Beting

    Mauro Beting

    Mauro Beting é comentarista do Esporte Interativo e da rádio Jovem Pan, blogueiro do UOL, comentarista do videogame PES desde 2010. Escreveu 16 livros, e dirigiu três documentários para cinema e TV.