Após mais de 3 anos, Palmeiras reencontra Corinthians no Pacaembu; relembre a épica partida de 2016

Após mais de 3 anos, Palmeiras reencontra Corinthians no Pacaembu; relembre a épica partida de 2016

Fotos: Cesar Greco/Ag. Palmeiras

3 de abril de 2016.

Era um domingo ensolarado em São Paulo.

Nas arquibancadas do Municipal, ainda era possível ver duas torcidas rivais 'convivendo' com músicas provocativas e muita festa.

Pena que este dia marcara o último clássico em São Paulo com duas torcidas.

Os times entraram em campo com os jogadores intercalados, em um claro pedido de paz, após um torcedor ser morto em São Miguel Paulista.

Contamos aqui no Nosso Palestra que após mais de 3 anos, o crime ainda não foi solucionado e ninguém foi preso.

26193448506_44bc766dbc_c

Em campo, o Palmeiras de Cuca precisava da vitória a qualquer custo. O terceiro lugar na tabela do grupo B indicava que uma derrota no Dérbi poderia custar a desclassificação do Verdão ainda na primeira fase do Estadual.

Gabriel Jesus era a grande esperança de gols do Verdão. Dudu, atual campeão e destaque da Copa do Brasil, estava no banco voltando de lesão, e mal sabia que mais tarde seria o grande nome da partida.

O jogo começou com boas chances para os dois lados. O Corinthians de Tite atual campeão brasileiro era muito mais time. Mas a história já nos cansou de mostrar que em Derbi essas coisas não entram em campo.

O Verdão é quem teve a chance mais clara de gol, mas Cássio fez milagre em chute de Alecssandro.

A partida se encaminhava para um péssimo empate para o lado palmeirense, até que aos 30 do segundo tempo as coisas pareciam que iam piorar e muito para o mandante. Thiago Martins derrubou Giovanni Augusto na área e o juiz da partida não teve dúvidas em apontar para a cal.

Lucca pegou a bola, enquanto Prass sinalizava para o seu lado direito, como quem prevesse o futuro e pegaria mais uma pênalti na sua gloriosa carreira. Dito e feito. Prass defendeu a cobrança e a torcida alviverde foi a loucura no Pacaembu.

Essa é até hoje uma das jornadas mais épicas da história do goleiro com a camisa 1 do Palmeiras. Ele que já havia pegado o pênalti de Petros e eliminado o Corinthians da edição passada do Paulista. Judiava mais uma vez do rival para delírio dos palestrinos.

Dudu já estava em campo, e 1 minuto depois receberia o cruzamento de Zé Roberto que faria o Estádio Municipal tremer de vez.

Palmeiras na frente e o chapéu da Jovem Pan pro alto!

26193449056_7c3ee86fbe_c

Só quem vive o Derbi e conhece a Sociedade Esportiva Palmeiras sabe como essa vitória foi importante para o time criar casca e seguir firme rumo a conquista do Campeonato Brasileiro, que não vinha há 22 anos.

Amanhã, será dia de reviver mais um Dérbi no Pacaembu.

Privilegiado e sortudo somos nós.

Que estaremos lá mais uma vez.

  • Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim, 28 anos, detesta quem assiste ao jogo sentado e tem como grande ídolo Armando Nogueira. Formado em Jornalismo pela UMESP em 2012, cobriu a Copa do Mundo da Rússia pelo jornal Lance!