Com 100 jogos oficiais na carreira, Veiga diz estar pronto para ser titular, revela proposta da Europa e peso de Felipão para seu retorno em 2019

Com 100 jogos oficiais na carreira, Veiga diz estar pronto para ser titular, revela proposta da Europa e peso de Felipão para seu retorno em 2019

Foto: Victor Lopes/Esporte Interativo

Ele pode ser o substituto de Gustavo Scarpa, artilheiro do time na temporada, na partida contra o líder Atlético-MG, no próximo final de semana, em Minas Gerais, e isso esta longe de ser um problema para Raphael Veiga. O meio-campista se acostumou ao verde e branco desde cedo, mas ainda não viveu seu grande momento com essas cores. Formado nas categorias do Coritiba, curiosamente foi conquistar o maior título da carreira no rival rubro-negro Athletico, em 2018, emprestado pelo Palmeiras.

Veiga voltou ao clube a pedido de Felipão e sem ambicionar jogar todas as partidas do ano por uma questão estratégica e inteligente. Atualmente com 100 jogos oficiais na carreira, ele comenta se está onde gostaria nesse momento de sua vida, revela ter recebido proposta de um grande clube do futebol europeu, conta o que aprende com cada meia do elenco palmeirense e muito mais. Confira na íntegra a entrevista exclusiva que o camisa 23 concedeu ao Esporte Interativo!

Rodrigo Fragoso: Você chegou aos 100 jogos como profissional na partida contra o San Lorenzo, pela Copa Libertadores da América. Olhando para a sua carreira, você está onde gostaria de estar?
Raphael Veiga: Minha vida aconteceu muito rápido no futebol. Em 2016 eu estava treinando separado no Coritiba e em questão de seis meses, um monte de times estavam me querendo. Falar que eu imaginaria que fosse tão rápido, estar no maior time do Brasil, eu não imaginaria. Gostaria? Sim, mas não imaginaria. Isso não quer dizer, aliás, que estou acomodado. Sempre quero melhorar sendo grato por tudo o que já aconteceu.

Rodrigo Fragoso: Você traça metas na sua carreira?
Raphael Veiga: Eu não costumo colocar meta de gols, assistências. Lógico que quero sempre melhorar, mas eu acho que a minha meta é de fazer 45, 50 jogos por ano. Calendário brasileiro tem 70, 80 jogos. Não tem jogador que consiga fazer todos esses jogos em alto nível. Jogando isso, acredito que meus números de gols, assistências e desempenho aumentem.

*Rodrigo Fragoso: *Você chegou ao clube depois de conquistar um título internacional no Athletico e foi pouco utilizado no Paulistão, chegando até a deixar a lista na segunda fase. Como foi esse momento?
Raphael Veiga: Eu cheguei limitado fisicamente, porque foi o primeiro ano da minha vida que eu tive uma sequência. Eu jogava todos os jogos, quarta e domingo, jogos inteiros e intensos, principalmente na Sulamericana. Campeonato Brasileiro também, pois estávamos lá embaixo na tabela. Acredito que pela limitação física no começo, eu não iniciei jogando. Depois a opinião dele de achar que tinha que me tirar da lista do Paulistão, eu respeito. Lógico que nenhum jogador gosta de ficar fora de nada, mas não adianta ficar reclamando. Tem que trabalhar e treinar, porque futebol é muito dinâmico. As coisas mudam muito rápido. Até um tempo atrás eu não estava na lista do Paulista e ontem acabei jogando.

Rodrigo Fragoso: Eu soube que o Felipão ligou para você para te contar que queria seu retorno em 2019. Como foi esse momento?
Raphael Veiga: Não me lembro se foi antes ou depois de um jogo contra o Internacional (partida foi no dia 04 de novembro), o Alexandre me ligou para dar parabéns pelo jogo, pelo que eu estava fazendo na temporada, e passou o telefone pro Felipão. Ele disse que contava comigo, me elogiou um monte, e lógico que quando a gente recebe um telefonema de um cara como o professor, com o cúrriculo que tem, a gente fica muito contente. Por isso voltei muito motivado.

Rodrigo Fragoso: Você recebeu propostas para deixar o Athletico em 2018 e também o Palmeiras no começo do ano, certo?
Raphael Veiga: Tiveram algumas sondagens. O Athletico queria que eu ficasse por lá, mas eu tinha contrato com o Palmeiras, o Felipão tinha me ligado e quando a gente ouve interesse de um cara como ele na grandeza do clube do Palmeiras, a gente fica muito feliz. No ano passado eu também tive algumas sondagens de clubes lá de fora, mas concreto só chegou proposta do Fenerbahçe. Não sei quais as condições, mas sei porque meu empresário comentou comigo. Preferi ficar, Palmeiras achou que era melhor eu ficar, então eu estou muito motivado pra conquistar coisa grande nesse ano.

Rodrigo Fragoso: Guerra, Scarpa e Lucas Lima são atletas experientes da sua posição no elenco do Palmeiras. Com qual você aprende mais e o que especificamente?
Raphael Veiga: Eu sou um cara que observo muito. Não só os dois como o Guerra também. Ele foi um dos jogadores que, dentro de campo, foi um dos que mais me impressionou jogando em 2016. Minha relação com ele é muito boa, procuro aprender muito com ele. Falando do Lucas Lima e do Scarpa, o passe final do Lucas é muito bom e a finalização do Scarpa também é muito boa.

Rodrigo Fragoso: Você fez uma comemoração erguendo os pulsos na frente de Felipão no gol que marcou contra o CSA, pelo Brasileirão, em Alagoas, e ele riu bastante. O que foi aquilo?
Raphael Veiga: No treino anterior do jogo, ele brincou comigo e disse que era para eu fazer um gol em Maceió. Aí eu perguntei como era pra comemorar e ele fez aquele gesto. Quando marquei o gol, fui lá e fiz! Sempre que tiver a oportunidade agora, vou fazer gol e repetir a comemoração pra ele.

Rodrigo Fragoso: Gustavo Scarpa sofreu uma lesão muscular que o tira ao menos do próximo jogo do Palmeiras, contra o líder Atlético-MG, em Belo Horizonte. Você está pronto para ocupar seu lugar no time titular?
Raphael Veiga: Estou pronto. Me considero pronto, maduro, mas tudo isso passa pela decisão da comissão técnica. Eu tenho me preparado e acredito, sim, estar pronto.

  • Rodrigo Fragoso

    Rodrigo Fragoso

    Formado em Jornalismo na Faculdade Cásper Líbero e especializado em gestão, direito e marketing esportivo pela FIFA/CIES/FGV.