Com amigos na Itália doentes por conta do coronavírus, Vitor Hugo reforça pedido: ‘fiquem em casa’

Com amigos na Itália doentes por conta do coronavírus, Vitor Hugo reforça pedido: ‘fiquem em casa’

Foto: Getty Images

Vitor Hugo fez o primeiro jogo como titular do Palmeiras contra a Inter de Limeira, o último antes da pausa por conta do coronavírus. Assim como grande parte da população brasileira, o zagueiro está em casa treinando e tem contato com amigos na Itália.

Ele atuou na Fiorentina e está preocupado com a situação daqui e de lá. O país europeu registrou – até o começo da tarde desta segunda-feira (23) – 63.928 casos e 6.077 mortes. A Itália tem o maior número de vítimas fatais no mundo e o segundo em número de infectados, somente atrás da China (81.946).

“Falei com alguns amigos lá do clube (Fiorentina), inclusive um fisioterapeuta lá que me ajudou demais e testou positivo para o coronavírus. Pelo o que me passaram a situação está bem complicada mesmo. Eu fico triste de ver o pessoal nessa situação e a gente não poder fazer nada, só rezar para melhorar tudo o mais rapidamente possível”, disse Vitor Hugo ao NOSSO PALESTRA.

Em casa, o zagueiro conta como tem trabalhado para manter a forma em dias de isolamento social.

“Estou me exercitando em casa. Instrutores via chamada de vídeo, orientações da parte física do Palmeiras que estão dando um suporte incrível para a gente tentar se adaptar com essa situação que nunca foi vista. Nunca passei por isso nem na carreira e nem na infância. É um momento que afetou e uniu o mundo inteiro e com certeza vai ficar marcado na história”, completou o defensor palmeirense.

49659390323_d87d9d9828_c-1

Confira o bate-papo com Vitor Hugo:

Como você está vendo toda essa situação crítica da Itália de longe? Um país que você criou um vínculo e hoje está sofrendo com essa pandemia.

É triste de ver. Toda Itália afetada tão violentamente. Florença com as ruas do centro vazias desse jeito nunca tinha visto por todo o tempo que morei lá. Realmente é uma situação inacreditável que está acontecendo, mas se Deus quiser logo vai acabar.

Você tem amigos brasileiros que jogam na Itália? Como eles estão reagindo a situação por lá?

Não tenho amigos brasileiros lá na Itália, só estrangeiros. Mas tenho amigos em países próximos de lá como França e Suíça. Nesses países a vida não está fácil, mas todos são conscientes e estão tomando as devidas precauções, o que é muito importante nesse momento.

Que recado você deixaria para o torcedor palmeirense e todos os brasileiros, que estão iniciando a luta diante de um vírus tão perigoso?

Meu recado é o mesmo que todos estão falando: fiquem em casa! Eu sei o quanto é difícil ficar “trancado” dentro de casa com a nossa família, também estou vivendo isso. Mas é uma necessidade no momento. Além disso, devemos seguir as orientações dos órgãos de saúde para evitar ao máximo que o vírus se espalhe. Se um não passar, o outro não vai se contaminar. Logo tudo voltará ao normal, mas para isso precisamos da ajuda de todos. Não podia deixar de agradecer aos guerreiros da saúde que estão literalmente arriscando suas vidas para ajudar a conter esse vírus. Muito obrigado.

  • Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim, 28 anos, detesta quem assiste ao jogo sentado e tem como grande ídolo Armando Nogueira. Formado em Jornalismo pela UMESP em 2012, cobriu a Copa do Mundo da Rússia pelo jornal Lance!

  • Rafael Bullara

    Rafael Bullara

    Formado em jornalismo, foi editor do Lance!, onde ficou por 12 anos. MBA em Gestão e Marketing Esportivo na Trevisan Escola de Negócios