Dez livros palmeirenses para celebrar o dia nacional do livro

Dez livros palmeirenses para celebrar o dia nacional do livro

No dia 29 de outubro é lembrado como o Dia Nacional do Livro. Lembrando disso, e para celebrar o número de títulos brasileiros do Maior Campeão do Brasil, você terá dez sugestões de leitura que nenhum palmeirense pode deixar de ler. E aí, qual será sua escolha?

1.IMPONENTE - A RECONSTRUÇÃO DO PALMEIRAS, DA ARENA AO DECA

Lançada em agosto de 2019 pela editora Garoa Livros, a mais recente publicação oficial licenciada pelo Palmeiras conta, por meio das fotos de Cesar Greco – fotografo oficial do Verdão – e dos textos do jornalista Celso Campos Jr., a vencedora trajetória do clube desde a inauguração de sua moderníssima arena, o Allianz Parque, em 2014, passando pelos títulos da Copa do Brasil de 2015 e dos Brasileiros de 2016 e de 2018. O livro registra ainda, cronologicamente, diversos momentos de grande relevância dentro deste período, que fizeram o Alviverde se consolidar como o Maior Campeão do Brasil, como o clube que gera mais receita, dono da camisa mais valiosa e, sobretudo, um modelo de gestão profissional exemplar.

1_-Imponente

  1. MEU NOME É ENEA

Escrito pelos jornalistas Mauro Beting e Bruno Elias, o livro Meu Nome É Enea, lançado pela Onze Editora Cultural, conta a trajetória do 9º título brasileiro do Palmeiras: o Brasileirão de 2016. A obra traz um personagem fictício de nome Enea (era para ser Eneas, mas houve um erro em seu registro no cartório) que, em primeira pessoa, relata jogo a jogo das 38 rodadas do Nacional relembrando, em cada uma delas, pitadas históricas das outras oito conquistas anteriores de seus Campeonatos Brasileiros, desde o dia 28/12/1960, data do primeiro caneco nacional levantado pelo Alviverde, após goleada por 8 a 2 aplicada sobre o Fortaleza no Pacaembu (data essa, aliás, em que nascera o personagem central do livro). Vale lembrar que a publicação conta com um emocionante capítulo especial em memória das vítimas do vôo da Chapecoense, clube o qual o Alviverde enfrentou na penúltima rodada daquela edição e se sagrou campeão logo antes da fatídica tragédia que acometeu quase todos os passageiros.

2_-Meu-nome---enea

  1. DA VITÓRIA À CONQUISTA

As lentes do fotógrafo Cesar Greco captaram os principais momentos da conquista da Copa do Brasil de 2015, o terceiro do Verdão, e as fotos ficaram eternizadas em uma obra impressa. O livro leva este nome devido ao fato de o primeiro compromisso por aquela competição ter sido disputado diante do Vitória da Conquista-BA, passando por Sampaio Corrêa-MA, ASA de Arapiraca-AL, Cruzeiro, Internacional, Fluminense e Santos, na final, quando o Alviverde reverteu a derrota sofrida para o Peixe por 1 a 0 no jogo de ida ao vencer por 2 a 1 na volta, com dois gols de Dudu. Nos penais, o Alviverde sagrou-se campeão em cobrança do goleiro Fernando Prass, que surpreendeu a todos ao aparecer na lista de cobradores.

3_-Da-vit-ria---Conquista

  1. PÁTRIA AMADA PALMEIRAS – UM CENTENÁRIO DE GLÓRIAS

Muito famoso por ser entregue pelas mãos de dirigentes aos jogadores em suas respectivas apresentações ao clube, este livro é o oficial do centenário do Palmeiras, lançado em 2014 pela Toriba Editora. A publicação, pesquisada e produzida pelo jornalista Maurício Oliveira é um ótimo ‘resumão’ dos 100 anos da história do clube, que começou em 1914, e reúne fotos históricas desde a fundação, passando por episódios emblemáticos como, por exemplo, os da mudança de nome em 1942, título mundial em 1951 e o fato de o Verdão ter representado a Seleção Brasileira 1965; fala também sobre os anos dourados com Ademir da Guia na Primeira e Segunda Academia, fim da fila em 1993, Libertadores de 1999 e a nova era (Século XXI e advento da arena, o Allianz Parque).

4_-P-tria-Amada-Palmeiras

  1. PALMEIRAS, 100 ANOS DE ACADEMIA

“Palmeiras, 100 Anos de Academia”, da editora Magma Cultural, foi lançado no centenário da Sociedade Esportiva Palmeiras. Em 384 páginas, com projeto gráfico de Gustavo Piqueira, textos dos jornalistas Mauro Beting, Leandro Beguoci, Fábio Chiorino, Marcelo Mendez e o saudoso Gino Bardelli, e edição final do próprio Mauro Beting, o livro traça o perfil de 50 ídolos e craques, com 44 jogadores representando as 11 posições, e mais seis treinadores históricos. Vinte e cinco partidas históricas também são apresentadas; fotos de palmeirenses ilustres também dão o ar da graça nas páginas da obra que ainda traz pequenos textos de grandes palmeirenses e enormes histórias de palmeirenses como tantos; dos que jogaram pelo clube, dos que administram e dirigiram o time, e dos milhões que fazem o Palmeiras.

5_-100-anos-de-academia

  1. BÍBLIA DO PALMEIRENSE

Como já sugere o nome, a Bíblia do Palmeirense é item fundamental na coleção de qualquer torcedor. Publicado pelo historiador Jota Christianini em 2014, além de um livreto que resume a história da agremiação – que se assemelha ao testamento do Livro Sagrado –, o produto tem como diferencial o acompanhamento de memorabílias históricas: são réplicas de raridades referentes ao clube, como cópia de contrato de jogadores das décadas de 30 e 40, uma foto autografada pelo eterno goleiro Marcos, capas de jornais históricos, selos, ingressos históricos antigos, uma flâmula histórica, um cartão-postal da conquista do Mundial do Verdão em 1951, a partitura do hino oficial do Palmeiras e também um pôster do time do Alviverde que representou a Seleção Brasileira em 1965, dentre outros.

6_-B-blia-Palmeirense

  1. MORRE LÍDER, NASCE CAMPEÃO

Outra obra pesquisada e produzida pelo jornalista e historiador Fernando Razzo Galuppo, desta vez pela BB Editora, conta em detalhes o episódio da mudança de nome do Verdão de Palestra para Palmeiras em 1942, a pressão sofrida pelo clube devido à Segunda Guerra Mundial. O conteúdo é embasado em anos de pesquisa em cima de súmulas, documentos oficiais do clube, Atas de reunião e periódicos originais publicados à época.

Capa_Final1

  1. PALMEIRAS, CAMPEÃO DO MUNDO DE 1951

Se você tem aquele amigo mala que sempre coloca em xeque o título mundial do Palmeiras, é obrigatório ler essa obra produzida pelo jornalista e historiador Fernando Razzo Galuppo em parceria com a Editora Maquinária para que o assunto nunca mais seja questionado. Os argumentos, documentos e demais registros apresentados neste livro são irrefutáveis e provam que o Verdão foi, sim, o primeiro campeão do mundo.

8_-1951---campe-o

  1. PARQUE DOS SONHOS

Palco do primeiro jogo oficial da história do futebol brasileiro em 1902, entre Germânia e Mackenzie, pelo Campeonato Paulista, o Parque Antarctica ganhou um livro dividido em três atos, que destaca as principais transformações vividas pelo estádio ao longo de mais de um século de existência: nele, está documentada a época das arquibancadas de madeira, a construção das tribunas de concreto, a confecção do Jardim Suspenso e, finalmente, da moderna arena. A obra traz alguns documentos raros, como os bônus vendidos aos torcedores interessados em colaborar com a aquisição do estádio e a escritura de compra, além da contribuição em cheque oferecida pela Companhia Matarazzo. A súmula do primeiro jogo do Palestra Italia como proprietário e uma goleada sobre o extinto Mackenzie também estão reproduzidas. O grande trunfo do produto são as fotos, muitas raras, inclusive de momentos extraesportivos, como a encenação da ópera Aida, a visita de Rodrigues Alves e o pouso de um avião. Os registros mais tocantes para os torcedores, contudo, são os ligados ao futebol. Em seu prefácio, o livro, escrito pelos historiadores Fernando Razzo Galuppo e José Ezequiel Filho são dedicados ao operário que morreu durante as obras de construção da nova arena, Carlos de Jesus, então com 34 anos, que faleceu em 15 de abril de 2013, vitimado pelo desabamento de três vigas.

9_-Parque-dos-Sonhos

  1. MEU PEQUENO PALMEIRENSE

Recentemente, também foi comemorado o Dia Nacional da Leitura, em 12/10, que coincide com o Dia das Crianças. Portanto, não há melhor livro para indicar senão o produto infantil escrito por Soninha Francine, famosa também por militar na política paulista e brasileira. Na obra, Soninha demonstra seu amor pelo clube e, de forma lúdica, instiga a leitura das crianças por meio de historinhas bem divertidas e ilustrações chamativas.

10_-Soninha-Francine

Tags: