É hora de abraçá-los

É hora de abraçá-los

Uma das imagens mais tristes e representativas da eliminação do Palmeiras da Libertadores na semana passada foi feita pelo fotógrafo Renato Pizzuto da BP Filmes, e maravilhosamente retratada pelo Daniel Resende, o cartunista do Nosso Palestra.

Qualquer palmeirense do mundo queria estar naquele abraço entre Prass e Dudu após o apito final de Palmeiras 2 x 2 Boca.

Dois atletas que representam o ressurgimento do clube nesta década. Dois homens que sentem a derrota do Palmeiras como se fossem deles. E realmente é.

Talvez tenha sido a última chance de Prass e Dudu conquistarem uma Libertadores pelo Verdão. O goleiro ídolo ainda não teve o seu contrato renovado, apesar de já ter explícito o seu desejo em ficar.

Já o camisa 7 faz mais uma grande temporada e será muito assediado pelo mercado internacional depois do Brasileirão, campeonato no qual Dudu deverá ser considerado o melhor jogador, merecidamente. Pra mim já deveria ter ganho em 2016.

O futuro infelizmente é uma incógnita. Ainda mais em ano de eleições na Sociedade Esportiva.

Os dois merecem agradecimentos e abraços dos palmeirenses aconteça o que acontecer nesses últimos dois meses de 2018.

Já sentam na mesma mesa de São Marcos, Edmundo, Evair, Alex e Sampaio.

Se eu fosse dirigente renovaria com Prass e faria o possível e o impossível para manter Dudu em 2019. Duas pessoas que representam o alívio e a idolatria de toda uma geração de palmeirenses.

28156525114_2074f0e831_b

Palmeirenses que nunca tinham visto o time ser campeão brasileiro, palmeirenses que nunca tinham visto o time em uma semifinal de Libertadores.

Prass pegou até pênalti no jogo em que muitos achavam que o Palmeiras entregaria um resultado para prejudicar o Boca Juniors. Justo o Prass. Logo o Palmeiras. Escola de caráter e de profissionalismo, o camisa 1 merece ficar #Prassempre na Pompéia.

Dois jogadores insubstituíveis. Dudu construiu uma identidade em quatro anos que não será reposta da noite para o dia.

Aproveite estes últimos 6 jogos do ano palmeirense. Mais do que nunca eles merecem o seu apoio e a sua gratidão.

Se for para história acabar, que seja da melhor forma. Em lágrimas de alegria e abraços de é campeão. Mas por enquanto, vá fazendo a sua parte e pedindo para que esses dois gigantes permaneçam no Nosso Palestra.

  • Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim, 27 anos, detesta quem assiste ao jogo sentado e tem como grande ídolo Armando Nogueira. Formado em Jornalismo pela UMESP em 2012, cobriu a Copa do Mundo da Rússia pelo jornal Lance!