Entenda a negociação entre Palmeiras, Ceará e Basel por Arthur Cabral

Entenda a negociação entre Palmeiras, Ceará e Basel por Arthur Cabral

(Foto: Divulgação / SE Palmeiras)

Arthur Cabral fez seu 12º gol pelo Basel neste domingo (21). Isso significa que o atacante cumpriu a meta que obriga a equipe suíça a exercer sua compra definitiva. Entretanto, ainda há pormenores a serem resolvidos entre Palmeiras e Ceará, os detentores de seus direitos econômicos, para que a situação se resolva de vez. O Nosso Palestra explica tudo, com detalhes.

Ainda no fim de 2018, o Palmeiras aquiriu 50% dos direitos econômicos de Arthur Cabral por R$ 5,5 milhões. O Ceará, seu ex-clube, ficou com os outros 50%. Porém, o atacante acabou sendo pouco utilizado no clube alviverde e, menos de um ano depois, viu uma chance de ouro para voltar a jogar ao receber uma proposta de um time europeu, o FC Basel.

O Basel anunciou Cabral em 30 de agosto de 2019. O contrato foi de empréstimo até 30 de junho de 2020, porém haveria a obrigação da compra do atleta caso ele cumprisse algumas metas, por exemplo marcar 12 gols. Agora que essa meta foi alcançada, a equipe europeia adquirirá 70% dos direitos econômicos de Arthur por 4,4 milhões de euros (aproximadamente R$ 26 milhões, na cotação atual). Como Palmeiras e Ceará possuem 50% dos direitos econômicos cada, serão destinados 2,2 milhões de euros (R$ 13 milhões) para ambos.

Até aí, tudo bem. Porém, a confusão se inicia com a divisão dos direitos econômicos restantes. Afinal, o Basel não está comprando 100% dos direitos econômicos, mas sim 70%. Portanto, restariam 30% dos direitos de Arthur Cabral, que poderiam render lucros numa futura venda do jogador, e é nesse ponto que Palmeiras e Ceará divergem. Explicaremos a posição de cada clube:

O Palmeiras entende que tem direito a essa fatia de forma integral. Sendo assim, o Basel seria dono de 70% dos direitos econômicos do atacante, enquanto o Palmeiras teria os 30% restantes.

Já o Ceará entende que esses 30% seriam divididos entre Palmeiras e Ceará de forma igual, ou seja, ambos ficariam com 15%. Nessa ótica, os direitos de Arthur Cabral ficariam dividos assim: Basel 70%, Ceará 15% e Palmeiras 15%.

Isso não interfere no quanto os clubes irão receber agora. Já está acertado que ambos faturarão 2,2 milhões de euros, cada, pela venda de 70% dos direitos econômicos do Arthur. Entretanto, esse impasse quanto à divisão dos direitos restantes do jogador poderá render brigas no futuro, caso o atleta seja revendido.

  • Guilherme Paladino

    Guilherme Paladino

    Palmeirense, estudante de jornalismo na UNESP, com passagem pelo Torcedores e atualmente setorista no Nosso Palestra. Apaixonado por jornalismo e por esportes. "A bola não entra por acaso."