Não seria um troca-troca. Mas parecia. O meia-atacante Rodrigo Fabbri (FOTO FAMILIAR DE 2017) viria para o Palmeiras. O meia Zinho voltaria para a Gávea como substituto do próprio meia-atacante revelado pela Portuguesa.

Zinho tinha contrato com o Palmeiras até o final de 1999. Pretendia renovar por mais dois anos. O Flamengo oferecia três anos de vínculo. Zinho pretendia permanecer no Verdão. Mas queria ampliar o acerto. A Parmalat (que administrava o futebol do Palmeiras) não queria negócio então. Deixava tudo nas mãos de Zinho.

Mas pretendia Rodrigo. Como também queria mais um centroavante e também o atacante Paulo Rink.

Deixe um Comentário

Artigo anteriorEspecial Libertadores-99: em 05/01/99, Palmeiras estudava poupar titulares no Rio-São Paulo
Próximo artigoEu tenho um sonho
Mauro Beting
Mauro Beting é comentarista do Esporte Interativo e da rádio Jovem Pan, blogueiro do UOL, comentarista do videogame PES desde 2010. Escreveu 16 livros, e dirigiu três documentários para cinema e TV. Curador do Museu da Seleção Brasileira, um dos curadores do Museu Pelé. Trabalhou nos jornais Folha da Tarde, Agora S.Paulo e Lance!, nas rádios Gazeta, Trianon e Bandeirantes, nas TVs Gazeta, Sportv, Band, PSN, Cultura, Record, Bandsports, Foxsports, nos portais PSN, Americaonline e Yahoo!, e colaborou nas revistas Placar, Trivela e Fut! Lance. Está na imprensa esportiva há 27 anos por ser torcedor há 50. Torce por um jornalismo sério, mas corneta o jornalista que se leva muito a sério.