(Foto: César Greco)

Essa imagem é fortíssima. Provavelmente eu esperaria uma outra opção que me fizesse lembrar que hoje é o tal dia. Aquele que motiva toda essa tarefa inglória de torcer. É por dias como hoje que pensamos em viver as derrotas, brigar pelas vitórias, sobreviver como apaixonado.

E ele é quem me fez cortar caminhos espirituais e entender antes do horário, de ter uma enxurrada de sensações. De reviver 2016 em uma fração ridícula de segundos. É bizarro o que se consegue sentir ao se ver como uma criança, o estado natural de qualquer ser humano alterado biologicamente pelo tempo, mas intacto em essência.

Era uma nova e reduzida versão do famoso Aeroporco, a condução de um elenco para um jogo decisivo em outra praça. Menos torcida, menos ansiedade, menos clima bélico. Havia um pequeno cujo nome não sei, mas gostaria, entre os bandeirões, cânticos e policiais. Vivendo o sonho. Talvez seja o primeiro título que ele vá se lembrar, caso venha. (Virá).

Fatalmente, no mundo dele, esse dia não tem o mesmo tamanho que no meu. É tudo maior. Fisicamente, claro, mas na alma de torcedor que está sendo criada. Ele já entende que existe algo que motivou seus pais a pararem o que estavam fazendo para berrar até o fim da voz, para percorrer quilômetros atrás de um ônibus com indescritível alegria. É o passo fundamental.

É por ele, Palmeiras, que vocês têm que acordar já já, tomar as melhores energias e na prece, pensar: “se faltar força, vou por ele”. Todos já fomos esse moleque sonhador e encantado. Todos temos essa essência, aqui, asfixiada pela maturidade, mas vivida pelo amor.

Hoje é dia de fazer o dia mais feliz da vida desse moleque. Dessa torcida que sonha em ser moleque. Em viver tudo isso, mais uma vez. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Palmeiras #SEP #AvantiPalestra

Tags: