Não foi uma entrevista coletiva normal. Luiz Felipe Scolari chegou visivelmente emocionado para encarar os jornalistas após a tranquila vitória do Palmeiras por 2 a 0 diante do Bragantino.

Antes mesmo de iniciar a entrevista, Scolari pediu a palavra para falar sobre a triste tragédia no Ninho do Urubu e também declarou toda a sua idolatria por Boechat.

Não tem sido dias fáceis. E ver Scolari do alto do seu peso dentro do futebol, com aquela sensação de impotência, que todos nós sentimos, doeu.

Sobre o jogo, Felipão celebrou a volta da identidade palmeirense. Para ele, o atual campeão brasileiro, jogou como tal e fez a sua melhor apresentação em 2019.

"Fomos consistentes. Consciência tática. Tanto pra atacar quanto pra defender."

Sobre as críticas da torcida com Miguel Borja, Felipão disse entender, mas acha as cobranças exageradas.

"Eles tem todo o direito de cobrar. Mas menos. Bem menos. Estamos no sexto jogo do ano".

É claro que o treinador teve que falar sobre Deyverson, suspenso hoje por 6 partidas, o camisa 16 mais uma vez deixará o Palmeiras na mão.

"Se ele aprender, vou dar todo apoio como dei no ano passado. Mas se não aprender. Não dá. Temos mais 70 jogos no ano. É a última chance, chega".

Para finalizar, Scolari disse sobre Zé Rafael. O meia vindo do Bahia só atuou uma vez no ano e hoje mais uma vez viu o jogo do banco.

"Eu gosto dele. Tá treinando bem. Mas tinhamos um cronograma a ser feito. Precisamos nos classificar. Nosso grupo está equilibrado. O Palmeiras está jogando sério no Paulista, precisamos fazer certas escolhas, mas aos poucos todos vão receber a oportunidade."

O Palmeiras volta a campo no próximo domingo, 17, para encarar a Ferroviária em Araraquara.

Tags: