Felipe Melo: o que eu quero de você

Felipe Melo: o que eu quero de você

Um tapa na cara da bola com responsabilidade. Um chutaço com ousadura no primeiro chute na meta adversária, não na canela alheia. Um lance que a gente sabe que ele pode fazer e ele fez mais do que os que ele não deve e mesmo assim ele faz.

Esse é o Felipe Melo que eu quero ver e falar. Mais do que aquele que mais fala do que se vê. Mais vaza Whatsapp atacando tudo do que nos defendendo. Esse é o cara que quero no meu time e não contra ele até quando é nosso. É o jogador que é melhor ter ao nosso lado que pela frente ou por trás.

O golaço que definiu a vitória e vai definindo o deca foi dos mais lindos do Palmeiras em 2018. Uma sapatada com raiva nas críticas, desconfianças, cornetas, dúvidas, dívidas.

Um lance que Felipe Melo sabe fazer. Poucos saberiam. E que todos nós aprendemos mais uma vez que muitas vezes precisamos mais fazer do que falar. Mais praticar preceitos de fé do que dar um pé na própria língua. Tempo de oferecer a outra face em vez de ofender.

Mas, para tanto, não é preciso responder só na bofetada e na truculência, só por versículos e vernáculos.

A melhor resposta é sempre pela bola e na boa. Não pela boca e na má.

É nas ações e não nas reações. É o que FM fez na frequência moderada. Na melhor sintonia possível do líder.

Não dou a minha mão à palmatória pelas críticas anteriores porque ela está batendo palmas ao golaço e sempre ao Palmeiras. Não sou marechal para fazer campanha a favor e nem contra e nem mastro para empunhar bandeira de pessoa física, química e qualquer outra ciência inexata. Elogio qualquer um quando merece, crítico quando o Palmeiras não o merece. Ele e qualquer outro. E mais ainda qualquer um que um dia se ache acima do clube.

Todo o respeito a ele por aprender a nos respeitar, a respeitar o rival, e o próprio talento.

  • Mauro Beting

    Mauro Beting

    Mauro Beting é comentarista do Esporte Interativo e da rádio Jovem Pan, blogueiro do UOL, comentarista do videogame PES desde 2010. Escreveu 16 livros, e dirigiu três documentários para cinema e TV.