#ForçaBigode

Não há no mundo um Palestrino que não tenha se esticado com Willian, ontem, pra buscar e bola e trazer o Deca. Todos, sem excessão, foram contigo, Bigode. Como tem sido desde sua chegada. Em toda disputa, em toda bola que sabia-se que não dava pra alcançar, mas o caráter de luta impedia a desistência. A família foi de alma, você foi de raça e alma campeãs, mas deixou comprometida uma parte do seu corpo que parecia imbatível, infito, inquebrável.

Já deixou tanto suor nesses vários Palmeiras que se construíram desde sua chegada, já abateu tanta palavra errada sobre: "não pode ser 9, não serve pra ponta, perde gol, identificado no rival, abaixo dos concorrentes, blá blá blá". Foi tudo o que precisou ser. Decisivo na acepção do termo, jogou mais que muitos times da série A, em números, jogou mais e melhor que toda a séria A, junta. Que força impressionante para não parar.

Parecia estar próximo do esgotamento. Rachou a testa, arrastou a perna e seguiu. Fez o gol do alívio contra o América como havia feito contra o Grêmio, na Arena dos gaúchos ou contra o São Paulo, para desafogar a vida do bom Roger. Foi artilheiro até não sendo titular, por força do momento. De grupo, de Palmeiras, sempre de sorriso aberto para ser o que pedissem a ele. Tarefa simples para quem é um pai tão especial para uma filha iluminada.

Bigode, que tristeza foi ler sobre sua contusão. Que alegria foi saber que você deixou o meu time campeão. Que certeza a gente tem sobre sua volta que será antes do previsto, surpreendente e eficaz como você nunca deixou de ser. Estaremos, de fato e alma, com você. Descanse, é justo. Recupere essa máquina de competir e volte pro lugar que é seu: nosso time, nosso coração. Nosso Palestra.

Tags:
  • João Gabriel

    João Gabriel

    De família italiana e tipicamente alviverde, é de São Manuel, interior do estado. Se formou em Jornalismo pela USC/Bauru e é pós graduado em jornalismo esportivo pelo IPOG/SP.