Há 22 anos, Palmeiras carimbava passaporte para a conquista da América

Há 22 anos, Palmeiras carimbava passaporte para a conquista da América

Foto: FolhaPress

30 de maio de 1998. O Palmeiras de Luiz Felipe Scolari recebia o Cruzeiro no Morumbi para o segundo e decisivo jogo da Copa do Brasil daquele ano. O mesmo adversário que dois anos antes derrubou o sonho do primeiro título de Copa do BR do Verdão no Parque Antártica.

A missão não era das mais simples, uma vez que os mineiros haviam vencido o primeiro jogo por 1 a 0 em Belo Horizonte. O Palmeiras precisava da vitória por mais de dois gols para ficar com o título no tempo normal.

Dois grandes desfalques de cada lado. O Palmeiras não contava com Arce, lateral-direito que se preparava para disputar a Copa da França com o Paraguai, enquanto o Cruzeiro não tinha o goleiro Dida, que estava com a seleção brasileira.

Era um sábado cinzento em São Paulo, chuvoso, o mesmo palco trazia lembranças inevitáveis do 12 de junho de 93. E com Zinho mais uma vez fazendo a diferença.

Após sair na frente do placar com Paulo Nunes, o Verdão caiu de produção na segunda etapa. E o receio da torcida em ficar com mais um vice para a Raposa só aumentava. Velloso teria que se redimir da falha dois anos antes, só que agora defendendo pênaltis. Tudo levava a crer que aquela Copa do BR seria decidida na cal.

Até que aos 43 minutos do segundo tempo, o Almir foi derrubado pelo Marcelo Djian, na meia-direita. Falta discutível. Mas ninguém do Cruzeiro reclamou. Muitos palmeirenses reclamaram quando Zinho pegou a bola e ensaiou uma batida direta. Pra quê? De tão longe, melhor cruzar na área...

Mas Zinho não escutou ninguém, somente a sua intuição. A chuva que caia no Morumbi atrapalhou o goleiro cruzeirense Paulo César, que ao tentar encaixar a bola deixou ela sobrar na pequena área. Onde estava Oséas. Sem ângulo, mas com a estrela de quem iria entrar para a história da Sociedade Esportiva.

O gol mais espírita de título do Palmeiras fez o Morumbi explodir. Este hoje repórter que vos escreve, com apenas 7 anos de idade estava na cancha e quase não entendeu o quão histórico era aquele momento. O primeiro título de Scolari pelo alviverde imponente.

E ali o Verdão carimbava o seu passaporte para a disputa da Copa Libertadores de 99. 7 meses depois, o alviverde imponente conquistaria a Mercosul, novamente diante do Cruzeiro. Seria um ótimo presságio do que viria meses mais tarde.

O final, todo mundo já sabe...

img_6689-1

  • Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim, 28 anos, detesta quem assiste ao jogo sentado e tem como grande ídolo Armando Nogueira. Formado em Jornalismo pela UMESP em 2012, cobriu a Copa do Mundo da Rússia pelo jornal Lance!