Por Marcelo Mendez

Felizes são os meninos que tem a chance de trocar umas ideias com seus ídolos. Plenos, são afortunados que estabelecem uma proximidade com aqueles que tantas alegrias lhes deram. Assim é minha parada com César Sampaio. Grande César...

Com a camisa 5 do meu Palmeiras, César Sampaio beirou as raias da imortalidade em campo. Enquanto jogou pelo Palmeiras em sua fase áurea nos anos 90, Sampaio jamais olhou para ver a cor da grama. Cabeça, erguida, pose imperial de uma realeza que dispensa a frescura das coroas para ser imortal de chuteiras pretas. Era César Sampaio o capitão do time o qual contaremos a história aqui hoje. O chamei para contar comigo e o meu capitão topou a prosa. Para uma noite fria de março, em que eu estava na arquibancada e ele em campo, escorremos aqui, odes e sonhos. Nosso Palestra entraria em campo para um jogo importante da Libertadores da América de 1994.

Aconteceria ali uma das maiores partidas dos 103 anos de história Sociedade Esportiva Palmeiras e sem saber, César Sampaio me daria uma das maiores alegrias da minha vida...

 

09 de Março de 1994, Palmeiras x Boca Juniors – a noite de lavar a alma verde...

 

“Sabíamos bem do Boca, lógico que não como hoje, onde temos milhares de informações e uma equipe só trabalhando para isso. Mas o Palmeiras sabia como o Boca jogava...” – César Sampaio, Capitão do Palmeiras em 1994

A coisa na verdade começou algumas horas antes daquela noite mágica de março...

Durante o dia, encontrei tempo de ouvir um programa de esportes no saudoso rádio AM, a Rádio Globo do Grande Osmar Santos e um dos comentaristas chamava atenção; “Olha, veja bem; O Boca é um time matreiro e é treinado pelo Menotti. Isso é sempre perigoso” César Luis Menotti... De pivete me lembro daquele homem magro, elegantíssimo, impecavelmente bem vestido à beira dos campos argentinos durante a copa do mundo de 1978. Munido de seu cigarro sem filtro, o Flaco comandava suas boas equipes.

Seus times sempre eram leves, sem nada de brucutus, meio campo sempre com jogadores leves, habilidosos e um gosto intrínseco pelo bom futebol. Não sabia muito daquele time do Boca, mas do jogo que eu vi um empate com o Velez Sarsfield no mesmo grupo em 1x1 não me seduziu muito.

Vi que tinha lé um ótimo goleiro, Navarro Montoya, um bom jogador de nome Carranza, um outro cheio de perna de nome Mancuso (Esse a gente viria a conhecer bem um ano depois...), um atacante ciscador de nome Martinez, mas nada de mais. Nada que justificasse a marra com que o Boca havia chegado em São Paulo.

Parecia a corte imperial da Rainha Vitoria do século XIX.

Rapaz mas que frescurada da porra!

Passeando pelo hall do Hotel transamérica, os jogadores argentinos se achavam uns Mick Jagger's e olhavam o mundo todo com um nariz empinado a lá Mary Poppins. Muito que a contra gosto, do alto de sua grandeza, Menotti topou dar uma entrevista para TV Bandeirantes e caprichou no portunhol selvagem para dizer que o Boca jogaria pra cima do Palmeiras pra ganhar o jogo e que futebol era muito simples:

“Mi equipo joga assim... Yo Toco e me Voy” Pois é. Toco e vou.

O sujeito veio sei la de que bimboca da Argentina, enfrentar o campeão Paulista e Brasileiro, como se esse, fosse um time de várzea do Desafio ao Galo! – era o que eu pensava – tinha logo que começar o jogo pra gente ganhar deles, pensava eu na arquibancada do velho Palestra. E começou. Naquela noite o Palmeiras veio para campo com desfalques consideráveis. Não jogaria Fred Rincón, machucado.

Não teria Edmundo, envolto em uma de suas suspensões. O meio campo seria formado por Amaral, Cesar Sampaio, Mazinho e Zinho. Na frente, Edílson e Evair. Era um timaço, o nosso. A zaga tinha Sérgio, Cláudio, Antônio Carlos, Cléber e Roberto Carlos. Não era possível que esse time fosse ter trabalho pra vencer o Boca. Não teve... O Palmeiras levou 15 minutos para marcar o primeiro gol com Cléber, empurrando para as redes após um bate rebate na área.

A partir daí, o Boca com o seu tal de “Toco e vou” não via a cor da bola. Pouco passava do meio de campo, não criava nada e quando o primeiro tempo terminou em 1x0, poderia até comemorar. Afinal de contas, tinha la no banco o homi, o tal do Menotti, de certo que criaria uma solução mágica. Ta, criou sim...

A Linha Burra...

“Nosso time era muito leve e muito veloz.Contávamos com ótimos jogadores, todos muito inteligentes e então, quando olhamos para o campo e percebemos que o Boca tentaria subir a marcação, imediatamente já sabíamos o que fazer. Surgiu muito espaço em campo e daí, ficou muito bom para jogarmos” - CS

Tinha nos bolsos uns comprimidos de algum barato sintético aí, mas o dia não era para o surto. Não... A hora era pra ficar consciente do que rolava. Fiquei no intervalo a pensar em coisas da vida e no Brasil do plano real, a única coisa que eu queria naquela noite era meu time ganhando o jogo. Ia me enveredar por essas elucubrações quando os times voltaram e o jogo recomeçou. Ávido em saber qual a solução mágica do Menotti, fiquei de cara quando vi seu time em campo no segundo tempo.

“Cara... Ele vai fazer linha de impedimento??” – Puxou conversa comigo um companheiro verde a meu lado na arquibancada. Pois é...

Contra o melhor time do Brasil, Menotti e suas milongas, decidiu que adiantaria sua linha defensiva pra tentar diminuir o campo do Palmeiras. Uma benção para um time que tinha jogadores inteligentíssimos como Zinho, Cesar Sampaio, Evair e ele, o dono da noite:

Mazinho.

“Foi um dos grandes parceiros de meio campo que tive. Um cara correto, dedicado, altamente técnico, trabalhava bem com as duas pernas, onde caía ele resolvia. Bom passe, inteligente, naquela noite ele deixou de ser coadjuvante. Mazinho protagonizou, brilhou”

César Sampaio tem muita razão.

Os garotos da geração playstation não fazem idéia do quanto que esse camisa 8 jogou de bola na vida. Mazinho é muito mais do que apenas o pai do Thiago Alcântara do Bayern e do Rafinha do Barça. Antigo lateral direito, quando veio para o meio campo, Mazinho passou a ser um dos melhores meias que já passaram pelos campos nossos aqui.

Inteligente, habilidoso, passe preciso, altamente técnico, foi um Grande. Na época, estava cotado para ir a Copa que aconteceria meses depois e Parreira, o técnico de então estudava a possibilidade de sua convocação. No dia do jogo contra o Boca, na ausência de Rincón, Luxemburgo decidiu colocá-lo como meia, um pouco mais a frente.

Seria nosso 10 e então caberia a ele armar o que viria pela frente e assim o fez lindamente...

Posicionando-se um pouco mais atrás, Mazinho observou que o Boca pouco atacava. Dessa forma, começa a encher os laterais Claudio e Roberto Carlos de bola. A todo instante, vindo de trás, os dois estouravam dentro da área do Boca. Foi dessa forma que roubou a bola de Mac Allister para lançar Evair na esquerda. O 9 esperou a passagem de Roberto Carlos e com um toque de calcanhar e de encanto o serviu para um golaço! Era o 2x0.

 

O Baile de Bola...

“Na verdade, o Boca veio a São Paulo para não perder. O empate jogando aqui para eles estaria ótimo e estavam na deles, fechadinhos e tudo mais. Com a desvantagem, eles desarmaram a marcação do meio campo (Saiu Da Silva) e colocaram um atacante (Acosta). Ai como se diz na gíria do futebol, foi um chocolate”

Mal tive tempo de comemorar e Edilson fez o terceiro. Em situação normal, eu estaria radiante mas sei lá, foi estranho. Queria mais...

É tácito em nossa formação de sudaca os caminhos da paixão inexorável pelo que amamos. No caso, amamos o futebol e naquele 09 de março, como que por uma conjuração cósmica entre time, torcida e universo, ficou decidido que no Parque Antártica o Palmeiras não ia parar de jogar. Não se contentaria apenas com os três pontos, não cessaria um milímetro que fosse na luta pelo encanto. Era dia de lavar a alma, era a noite de passar com um caminhão em cima do Boca Juniors.

No nosso berro incansável, na nossa sede de poesia o Palmeiras seguiu. Mazinho, o craque daquela noite seguiu botando o Boca na roda. Em jogada épica, driblou a zaga toda da linha burra de Menotti e sofreu o pênalti para Evair fazer o quarto. Pouco depois, no rebote de sua tentativa por gol de cobertura em Navarro Montoya, veio o 5x0 e o sexto de Jean Carlo, foi o êxtase. Como o mais belo dos olimpos, nós fizemos de nosso Palestra uma catedral. Era um 6x0, uma seiszada inapelável, implacável em cima da empáfia do Boca e da classe de Flaco Menotti.

Depois disso, quase esqueci do gol de pênalti do boca, marcado por Martinez, dane-se.

Era 6x1! O placar lavou minha alma bêbada e me redimiu do torto que eu era.

Foi meu nirvana na Pompéia. Não, não vencemos aquela libertadores. Passamos a primeira fase, ficamos nas oitavas contra o ótimo time do São Paulo e pouco me importa isso. Sou Sudaca, um rapaz latino americano que tem compromisso com a poesia e não com as “vitórias”.

Se bem que naquela noite, no Parque Antártica, venci.