Felipão ainda celebrava a conquista da Mercosul-98 em 29 de dezembro de 1998. Mas já pensava nos prováveis mais de 90 jogos em 1999. Queria um elenco ainda melhor e maior.

O treinador desejava mais um atacante para brigar com Oséas pela camisa 9. Paulo Nunes seguia como o parceiro de ataque preferido.

Três nomes o Palmeiras estudava. Mas quem pagaria a conta seria a Parmalat, cogestora técnica e administrativa do clube desde 1992.

O sonho do treinador era reeditar a dupla de ataque campeã da América com ele pelo Grêmio: Paulo Nunes e Jardel. Só que o centroavante era um dos destaques do Porto

e um dos artilheiros da Europa. Seria o máximo goleador no continente em 1999. Não tinha negócio. Só houve mesmo em 2004. Jardel treinou por dois meses no clube. Mas fora de forma, acabou nem estreando e foi dispensado (FOTO DA FOLHA).

O segundo nome da lista era Fábio Júnior, que fizera um segundo semestre excelente pelo Cruzeiro. Mas a Roma o levou diss depois. Ele só viria jogar no Palmeiras em 2001.

O terceiro da lista era Christian, centroavante do Inter. Custava 8 milhões de reais (ainda com o câmbio valendo um dólar). Também acabou não rolando. Ele só jogaria no Palmeiras em 2002.

Deixe um Comentário

Artigo anteriorNo saldo da balança comercial, elenco mais forte para 2018
Próximo artigoMina e Borja se reapresentam no Palmeiras na sexta; Guerra perde vôo
Mauro Beting
Mauro Beting é comentarista do Esporte Interativo e da rádio Jovem Pan, blogueiro do UOL, comentarista do videogame PES desde 2010. Escreveu 16 livros, e dirigiu três documentários para cinema e TV. Curador do Museu da Seleção Brasileira, um dos curadores do Museu Pelé. Trabalhou nos jornais Folha da Tarde, Agora S.Paulo e Lance!, nas rádios Gazeta, Trianon e Bandeirantes, nas TVs Gazeta, Sportv, Band, PSN, Cultura, Record, Bandsports, Foxsports, nos portais PSN, Americaonline e Yahoo!, e colaborou nas revistas Placar, Trivela e Fut! Lance. Está na imprensa esportiva há 27 anos por ser torcedor há 50. Torce por um jornalismo sério, mas corneta o jornalista que se leva muito a sério.