Alexandre Mattos foi direto no papo com o torcedor. Mais uma vez assumiu a bronca tanto quanto o protagonismo. Faz parte do ofício. E ele faz bem as duas coisas.

Ele já soube vencer muito bem pelo Cruzeiro e ajudou muito o Palmeiras a reencontrar nosso caminho. Lembrou bem que em 20 anos ganhamos o BR que desde 1994 não ganhávamos e fomos vices que desde 1997 não éramos. É bastante coisa.

Mas claro que poderia ter sido mais. O que é diferente do que “deveria” ser. O Palmeiras não é obrigado a ser campeão. Ninguém é no futebol. A não ser o PSG este ano. E na França. Só lá.

O bom é que ele detectou coisas que deram errado no ano passado ou que foram mal feitas. Ele sabe o diagnóstico. A cura saberemos em 2018.

Ele aproveitou e jogou a “responsabilidade” de título aos pés do Cruzeiro. Estratégia inteligente. E que não deixa de ter lógica. “O Palmeiras ainda não tem um time definido. Um coletivo forte. Foi o maior erro em 2017”.

Foi isso.

No mais, aproveitou para dar um toque na torcida para que o sócio-torcedor seja tão sócio quanto é torcedor. Para que não oscile a adesão ao Avanti. Reafirmou que Luan e Juninho “vão ser recuperados”. Logo, estão devendo. Mandou bem. É isso.

Só foi desnecessário cutucar os vices do Santos. Mas menos deselegante do que Lucas Lima ao citar a lotação do Allianz Parque em relação ao público que não enche a Vila Belmiro.

Para nos defender não é preciso atacar. Ainda mais quem foi sua casa por quatro anos.

Mas faz parte do pacote Lucas Lima. Combo que às vezes não combina com profissionalismo.

Deixe um Comentário

Artigo anteriorChá Verde das 5: ‘Que Lucas Lima seja feliz e não saia como Wesley’, deseja Mauro Beting
Próximo artigoEspírito de porco pequestafá
Mauro Beting
Mauro Beting é comentarista do Esporte Interativo e da rádio Jovem Pan, blogueiro do UOL, comentarista do videogame PES desde 2010. Escreveu 16 livros, e dirigiu três documentários para cinema e TV. Curador do Museu da Seleção Brasileira, um dos curadores do Museu Pelé. Trabalhou nos jornais Folha da Tarde, Agora S.Paulo e Lance!, nas rádios Gazeta, Trianon e Bandeirantes, nas TVs Gazeta, Sportv, Band, PSN, Cultura, Record, Bandsports, Foxsports, nos portais PSN, Americaonline e Yahoo!, e colaborou nas revistas Placar, Trivela e Fut! Lance. Está na imprensa esportiva há 27 anos por ser torcedor há 50. Torce por um jornalismo sério, mas corneta o jornalista que se leva muito a sério.