No sábado de Aleluia, quem seria o maior Judas da história do Palmeiras?

No sábado de Aleluia, quem seria o maior Judas da história do Palmeiras?

Foto: Divulgação/Palmeiras

Todo sábado de aleluia é dia de malhar o Judas. A tradição consiste em bater ou queimar um boneco de uma pessoa, simbolizando a imagem de Judas Iscariotes. O ato é feito geralmente por comunidades católicas e ortodoxas e foi introduzida no nosso país por espanhóis e portugueses.

O Nosso Palestra quer saber quem seria o maior 'traidor' da história do Verdão. Quem seria o jogador que mais provocou a ira da torcida alviverde ao trocar o clube por um grande rival?

Na lista temos diversos nomes, como: Edílson Capetinha, que foi bicampeão brasileiro pelo Palmeiras, porém hoje é muito mais identificado com o Corinthians, e ainda foi responsável por iniciar uma batalha campal entre os dois clubes na final do Paulistão de 1999, já defendendo o lado alvinegro.

Kleber Gladiador é outro nome bastante lembrado pelo torcedor palmeirense. O camisa 30 voltou ao Verdão em 2010 após uma ótima passagem em 2008. Com mais de 5 mil palmeirenses para recepcioná-lo no antigo Palestra Itália, a passagem do então ídolo Gladiador foi muito conturbada.

Ainda mais quando vazou uma foto de uma carteirinha do atacante na Gaviões da Fiel, maior torcida organizada do maior rival do Verdão. A torcida corinthiana soltou a foto dias antes de um Dérbi em Presidente Prudente.

corintiano_desde_crianca_kleber_gladiador_avisa_jh

Kleber admitiu que era corinthiano na infância e após diversas brigas com Felipão e muitas cutucadas na torcida e no próprio elenco do Verdão, saiu do clube pelas portas do fundo, com a Mancha Verde em frente ao seu prédio, queimando um boneco de Judas com o rosto do jogador.

Hernan Barcos é outro atacante que foi tratado como traidor pela torcida palmeirense. Após fazer uma temporada excelente em 2012, o argentino afirmou que seguiria no Verdão, mesmo na Série B. Porém colocando a desculpa na visibilidade e no anseio de disputar a Copa de 2014 pela Argentina, o atacante logo buscou uma forma de deixar o Verdão, e sua saída até hoje é motivo de revolta pelos palmeirenses.

barcos-alecabral-futura

O ex-presidente Paulo Nobre trocou Barcos por 5 jogadores do Grêmio, mas na ocasião só vieram quatro e o Palmeiras foi o grande prejudicado no negócio, pois perdeu um dos melhores jogadores do elenco.

Alan Kardec é mais um da seleta lista de atacantes que deixaram o Palmeiras com uma certa revolta da torcida alviverde. O ex-camisa 14 fez uma ótima Série B pelo Verdão em 2013 e era a grande esperança de gols do alviverde no ano de seu centenário. Mas após um imbróglio em sua renovação, acabou pulando o muro e acertando com o São Paulo. A negociação provocou uma guerra entre os dois clubes, travada pelos ex-presidentes Paulo Nobre e Carlos Miguel Aidar.

12880826245_00018b1fe1_c

O último e mais recente caso de 'traição' pelo lado palmeirense foi o volante Gabriel. Após se destacar no Verdão e fazer parte do elenco campeão brasileiro de 2016, o atleta se transferiu logo no início de 2017 para o Corinthians, provocando a ira de muitos palmeirenses. Gabriel é jogador do Corinthians até hoje e sempre que pisa no Allianz Parque é muito hostilizado.

16586143103_cca5c6814a_c

Ainda temos alguns nomes que deixaram o Palmeiras de uma forma nada amigável, como Ilsinho, Rincón e Rogério.

E pra você, torcedor alviverde, quem é o grande Judas da história do Verdão?

Tags:
  • Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim, 28 anos, detesta quem assiste ao jogo sentado e tem como grande ídolo Armando Nogueira. Formado em Jornalismo pela UMESP em 2012, cobriu a Copa do Mundo da Rússia pelo jornal Lance!