O futuro ao Palmeiras pertence. Só nos resta aproveitar

O futuro ao Palmeiras pertence. Só nos resta aproveitar

Foto: César Greco/ Ag. Palmeiras/ Divulgação

Chegamos ao fim. O último passo foi dado com enorme êxito. Sem levar em conta os meios e os métodos, o final está escancarado nos nossos olhos. Cumprimos os protocolos, os desafios, os dias improváveis, as vitórias certas e inquestionáveis, o dia que nada daria jeito, o que o jeito era esperar. O Palmeiras de Luís Felipe Scolari se fundou, cresceu, venceu e agora vai tentar voar.

Sabe-se lá, meu Deus, meu San Gennaro, meu guru, meu pai de São Marcos ou meu sonho de criança onde esse caminho vai dar, mas a parir de hoje, é colher. Vivos em tudo, com condições de conquistar tudo, tendo o nada como garantia, mas com a mão tocando realmente em três possíveis competições, o novo caminho é o que não exige cobrança, não exige frustrações ou exageradas consequências. O Palmeiras agora é como mandar nosso coração.

Serão noites de eliminatórias, tardes de decisão, vésperas de conquistas ou resignações. Tudo o que vier, é intenso. Como somos, todos, por natureza. Remamos na maré de um ano que queria desandar, que dava sinais de ter sido desperdiçado, de um elenco talentoso que esbarraria na frustração de não competir. Competimos. Buscamos desvantagens, mantivemos a América sob bons comandos, o Brasil ao alcance, o brasileiro, trouxemos pra perto. Pra menos longe do que já esteve um dia. O que era obrigação.

Agora em diante, não é mais. Decidir é a união do que temos controle, que é a dedicação, a verdade e o amor por estar lá, e as cosias extraterrenas e incontroláveis do futebol. O imponderável de Almeida nunca foi só um texto em crônica, mas uma entidade que assistiu aos jogos com bigodes, um copo de whiskey doze anos e a certeza de que a anarquia se faria presente em algum momento capital. Resolvemos chamar de “coisas do futebol”.

Seja o que vocês quiserem, Palmeiras. Nos enche de orgulho saber que tudo ficará em campo, como tem ficado. Não importa quem jogue, o escudo mais campeão dessa terra está em campo com 11 caras que estão dando a vida. Um comando de INDENTIDADE forte. A torcida tá contigo, seja lá em que estádio você jogar. Em que competição você estiver.

Pra cima de tudo, Palmeiras. A tua obrigação tá feita. Agora, é começar a viver os sonhos de meses de decisão. A gente vai junto, na sua cola. Dando sinal de luz, seta e pé no fundo, afinal, nossa prioridade é tudo.

  • João Gabriel

    João Gabriel

    De família italiana e tipicamente alviverde, é de São Manuel, interior do estado. Se formou em Jornalismo pela USC/Bauru e é pós graduado em jornalismo esportivo pelo IPOG/SP.