O que precisa funcionar para o Palmeiras embalar

O que precisa funcionar para o Palmeiras embalar

Foto: Cesar Greco/Ag. Palmeiras

A busca pela América agora chega ao Allianz Parque e a tarefa vai além de mais uma vitória na Libertadores. Em busca de boas atuações, o time de Vanderlei colocará em teste algumas questões táticas e técnicas que seguem em discussão e sem unanimidade. O funcionamento delas, na noite de hoje, pode dar norte ao trabalho ou trazer uma definitiva instabilidade.

Dupla de volantes:

Há que se chegar em um acordo. Se será a efetivação de uma dupla experiente e menos dinâmica, a escolha pro jogo desta terça, se será a vez dos meninos, o que a torcida pede, se será o improviso de Zé Rafael ou se será até a ida ao mercado para uma nova solução, como Gregore. O rodízio soa mais como dúvida do que como rotação. É preciso que essa equipe saiba quem são seus titulares e como eles atuarão.

**Jogo de aproximação ou reação **

Esse time precisa saber se jogará com linhas adiantadas e próximas ou se proporá um jogo de reação. Se adiantará a marcação em blocos próximos e conectados ou se resguardará sua organização para contra atacar. Naturalmente que é possível executar as duas opções em um jogo, mas em momentos distintos. A questão é metade do time agir de uma forma e a outra parte ficar em uma sintonia ímpar. Não vai funcionar de uma forma positiva.

Lucas Lima ou improvisar?

O camisa 20 segue sem atuações ruins na temporada. Quando jogou, agradou. Repentinamente, deixou a equipe para Raphael Veiga ganhe uma chance injustificada. Depois, Dudu recebeu a vaga para improvisar seu futebol em uma nova função. Porque não Lucas? O que há de errado? Não há no elenco quem tenha o passe de assistência que o platinado tem. Contra rivais retraídos, ele precisa jogar, na visão desse cronista. Luxemburgo prefere usar Dudu na armação. Será um teste e tanto pra treinador e jogador.

Dois noves?

Luís Adriano é um sniper. Se tiver a finalização, dificuldade pra fazer o gol não é algo que lhe pertença. Falta, no entanto, dinamismo pro jogo de transição. Willian é menos definidor, mas ‘fede’ decisão. Sempre se coloca na função é momento de protagonizar. Falta a ele a retenção de uma referência. Quem joga? O bigode fora de posição? Luís por meio tempo? Os dois? Uma dúvida boa para Vanderlei definir da melhor forma. Os dois vivem boa fase.

Os primeiro jogos desse Palmeiras pareciam mais definitivos quanto a estilo e proposta. Nesse momento, há uma confusão de propostas e opções. A chance de responder e definir, no entanto, esta à disposição de Vanderlei e os seus. A busca pela América, em seus domínios, deve ser o máximo de concentração e dedicação que todos devem ter. É dia de obter respostas e elas vão muito além de resultado.

  • João Gabriel

    João Gabriel

    De família italiana e tipicamente alviverde, é de São Manuel, interior do estado. Se formou em Jornalismo pela USC/Bauru e é pós graduado em jornalismo esportivo pelo IPOG/SP.