Opinião: Mano vence 1° jogo grande pelo Palmeiras e passa pela primeira missão pela sua continuidade

Opinião: Mano vence 1° jogo grande pelo Palmeiras e passa pela primeira missão pela sua continuidade

Foto: Cesar Greco/Ag. Palmeiras

A grande vitória do Palmeiras por 3 a 0 sobre o São Paulo nesta última quarta, 30, teve um sabor especial para Mano Menezes.

Cobrado por muitos por uma grande atuação contra um time da parte de cima da tabela, o técnico enfim conseguiu vencer e convencer no seu segundo clássico pelo Palmeiras.

Com uma intensidade de dar gosto aos mais de 29 mil palmeirenses que foram ao Allianz Parque, o time fez sua melhor apresentação com o novo comandante.

Apesar de ter vencido o jogo na maneira reativa de Felipão ( Palmeiras teve metade da posse de bola do São Paulo), o time demonstrou outras alternativas para chegar ao gol de Volpi.

O terceiro gol é uma prova disso. A bola começa no chão desde Weverton. Zé Rafael controla bem a bola e deixa Scarpa livre para afundar o gol são paulino.

A continuidade do trabalho de Mano para 2020 parece cada vez mais certa. Apesar de não ter 100% de apoio da torcida (e nunca vai ter), o técnico precisa mostrar neste final de ano que merece sim receber a chance de poder reestruturar o elenco para a próxima temporada.

Das 3 grandes missões de Mano neste final de ano, a primeira foi concluída com sucesso.

Semana que vem teremos o Dérbi diante de um dos Corinthians mais bagunçados dessa década.

Mano terá a chance de completar a sua segunda missão.

Por último, o duelo diante do Flamengo no Allianz Parque.

Mesmo sem conseguir o distante título brasileiro, vitórias nesses jogos grandes podem trazer a paz que o comandante precisa para seguir no clube.

A base desse Palmeiras já é forte. Tanto que a campanha desse ano segue melhor que a do Deca em 2018.

Agora o clube precisa de pequenos ajustes, ter mais responsabilidade e ser mais assertivo nas pouquíssimas contratações e fazer a tão esperada transição da base.

A felicidade em 2020 passa por esse caminho.

Com Mano.

  • Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim, 28 anos, detesta quem assiste ao jogo sentado e tem como grande ídolo Armando Nogueira. Formado em Jornalismo pela UMESP em 2012, cobriu a Copa do Mundo da Rússia pelo jornal Lance!