Os dias de Copa

Os dias de Copa

(Foto: Marcelo Brandão/Click Parmera)

São especialíssimos, pelo menos nesse coração aqui que mal dormiu, teve sonhos gloriosos com vitória, mas que acordou 2012 vezes lembrando dos perrengues que sempre acontecem em dias como hoje. Nunca é só um dia quando se disputa um mata mata. É a postura sanguinária desde o bom dia e os instintos apuradíssimos de quem sabe que terá de dar uma gota de suor para que tudo aconteçca dentro do planejamento super tendencioso de quem torce.

"Eu tô nervoso(a)!" É pra estar mesmo.

Dias de Copa trazem as lembranças mais intensas que o apaixonado tem na memória. É quando a derrota empresta uma ideia clara de ruína, de depressão mesmo, vocês sabem, mas como dias de Copa são supersticiosos, há que se lembrar que quando a vitória vem, são inerentes as sensações épicas de quem parece ter conquistado a vida, arrumado os problemas amorosos, resolvido a briga da família, recebido o prêmio milionário da loteria ou encerrado os casos de violência pelo mundo. É do caral, caramba.

Um mata mata é o sentido pleno de combate. É reunir todas as forças disponíveis, da terra, as divinas, as crenças, os costumes, as mandingas, as superstições, as pessoas que trazem sorte. Aquela camisa que nunca deu, que fique longe. É estar fisicamente em estado puro de batalha, em condições plenas de oferecer mais do que o normal. É saber que cada músculo do corpo terá que atingir o limite. E um ultrapassá-lo.

Uma noite de semifinal é reencontrar-se com a chance de fazer de novo. De reeditar um êxtase de 3 ou de 6 anos atrás. Reajustar o que ficou pelo caminho, há um. Aquele gol nos 45’ de quem hoje defende nossas cores. O sabor amargo que ficou pode adoçar definitivamente a busca pelo país. Talvez estejamos de cara com o maior dos desafios, até aqui e isso torna ainda mais especial que se crie o clima imbatível de uma decisão.

O Palmeiras gosta de Copa. O Palmeiras toca o seu torcedor quando se vê de cara com esses enfrentamentos, afinal, é a configuração ideal para elevar ânimos, para colocar em prática a melhor versão que essa comissão técnica tem. É o dia de começar a pavimentar uma estrada de eliminatórias que levará o Palmeiras de Felipão a noites cada vez mais importantes e, se Deus e San Gennaro, quiserem, vitoriosas.

Avanti, MEU Palestra!

Tags:
  • João Gabriel

    João Gabriel

    De família italiana e tipicamente alviverde, é de São Manuel, interior do estado. Se formou em Jornalismo pela USC/Bauru e é pós graduado em jornalismo esportivo pelo IPOG/SP.