Ser pai e Palmeiras, o nosso destino

Ser pai e Palmeiras, o nosso destino

(Foto: Forza Palestrina / Sergio Ortiz)

Cada minuto, cada segundo, cada sorriso, cada detalhe minúsculo da convivência. Há que se aproveitar todo ar que respiramos ao lado deles. Das sensações que sentimos pela proteção, das dores que sentimos pela punição. Pelo amor incondicional que toma de levado o nosso coração. Que faz cair apaixonada a lágrima do olhar. A paternidade é o sentimento mais lindo que o mundo nos deu a chance de se sentir. Aproveitar!

Você que acorda hoje de sorriso largo de presente sob os braços para encontrar na mesa do café fresco, o seu pai, celebre. Você que acorda hoje com a noção cinzenta e amarga da saudade que briga com suas lembranças mais lindas. Você que ainda vislumbra sentir esse amor pelo outro lado. Você que recebe, você que entrega e deseja receber. Vocês todos. As paixões se avivam no calor dessa data tão nossa.

Tão família.

A nossa família se reecontrará, seja ela pequena, de nervos aflorados, de relações estremecidas, seja ela a típica dona da inveja tamanha a unidade. Família não é um conceito petrificado pelas regras do bom sentir, mas é sustentado pela inconstância perene do amar. Famílias não têm estado, elas têm existência. Os laços fraternais, maternos e paternos, as maiores bênçãos. Sortudo aquele, que já abonado, tem uma família de milhões que é uma extensão dessa paixão.

Quem aqui, quem você nunca assistiu ao nosso jogar e olhar para o lado e ver que o velho estava uma pilha de tensão, mas sempre a postos para redigir a nós uma palavra de conforto, uma intenção suave de dizer: “calma, vai dar tudo certo”. Reflexo da vida, o esporte é a potência máxima do pai e do filho. Quando ele chorou a taça que não veio, você veio como o contraponto com o abraço infantil e incomparável de quem ele vê o sendo daqui há anos. Quando ganhamos, o primeiro desabafar de glória foi com você. No sofá, no carro, no clube, no Palestra.

Que virou Allianz. Que viramos pais. Que viramos avós.

Se hoje, o seu está com Deus, você certamente olhará para cima para pedir ajuda pra vencer, dedicará a lágrima da alma torcedora para ele, que a construiu. Quando der certo, o dedo apontado para ele, mais uma vez, como sempre fizemos. Se você tem um pequeno que logo te chamará de papá e hoje usa o macacão verde do verde, saiba que na primeira oportunidade, o estádio será o primeiro passeio. Logo, ele gritará contigo, numa arquibancada:

“Todo o amor que eu sinto por ti,
Eu vou passar para o meu filho”

Por todos nós que somos pais e somos filhos, para todos nós que compartilhamos esse amor com o nosso amor maior, para nós que queríamos viver o dia de hoje com eles, para os que viveremos, para todos que somos, juntos e em herança, Palmeiras.

Feliz dia dos pais, torcedor.

  • João Gabriel

    João Gabriel

    De família italiana e tipicamente alviverde, é de São Manuel, interior do estado. Se formou em Jornalismo pela USC/Bauru e é pós graduado em jornalismo esportivo pelo IPOG/SP.