Palmeiras empatou com o Ceará, lanterna do Brasileirão (Cesar Greco/Ag.Palmeiras/Divulgação)

Qual é o Palmeiras de Roger? É tudo isso em oito dias. Ou nada do que foi o Campeão do Século XX no primeiro tempo contra o São Paulo no sábado passado. O maior campeão do Brasil que foi na segunda etapa do Choque-Rei e também na melhor atuação desde 2016 na vitória contra o Grêmio. E mais uma frustração no 2 a 2 no Ceará contra o lanterna que ainda não venceu no BR-18. Como o Palmeiras ainda não engrena. Quando o alviverde acha que vai ele vai pr’aquele lugar. Mais engana que engata e que engrena. Quando acha que não tem mais jeito o Palmeiras arranja um jeito de seguir firme.

No Castelão fez 1 a 0 aos 5, com Thiago Santos de cabeça, depois de escanteio. Aos 22, Hyoran deu o bote certo e deu o gol para Dudu definir o jogo contra um rival frágil. Aos 25 levou o gol de Felipe Azevedo, em discutível posição milimétrica de impedimento – e ainda é preciso definir se houve ou não o toque do alvinegro Ricardinho. Lance que poderia alertar o Palmeiras de que era preciso pensar na decisão duríssima contra o Flamengo na quarta.

Mas antes era preciso definir o jogo que não estava difícil em Fortaleza. Respeitando o Ceará tanto quanto se deveria respeitar a história do Palmeiras. Algo que Lucas Lima não conseguiu de novo. Jean ainda não tem o ritmo necessário. E Roger trancou o time que não soube administrar o placar, sinalizou recuo com Mayke, e escorregou demais como o garoto Artur até ceder o empate em outro lance de impedimento discutível – mas a posição era legal. De um empate indiscutivelmente péssimo.

Mas natural para o palmeirense. E comum demais para a equipe de Roger.

Deixe um Comentário

Artigo anteriorTransmissão, desfalques, provável escalação… tudo sobre Ceará x Palmeiras
Próximo artigoEmpresário de Dudu nega sondagem de time árabe e rebate agente
Mauro Beting
Mauro Beting é comentarista do Esporte Interativo e da rádio Jovem Pan, blogueiro do UOL, comentarista do videogame PES desde 2010. Escreveu 16 livros, e dirigiu três documentários para cinema e TV. Curador do Museu da Seleção Brasileira, um dos curadores do Museu Pelé. Trabalhou nos jornais Folha da Tarde, Agora S.Paulo e Lance!, nas rádios Gazeta, Trianon e Bandeirantes, nas TVs Gazeta, Sportv, Band, PSN, Cultura, Record, Bandsports, Foxsports, nos portais PSN, Americaonline e Yahoo!, e colaborou nas revistas Placar, Trivela e Fut! Lance. Está na imprensa esportiva há 27 anos por ser torcedor há 50. Torce por um jornalismo sério, mas corneta o jornalista que se leva muito a sério.