Palmeiras, hat-trick no Flu e uma nova vida

Palmeiras, hat-trick no Flu e uma nova vida

A noite de 16 de setembro de 2015 mudou pra sempre a vida de Marília e sua filha Laura. Era pra ser somente mais um dia de Palmeiras. O Verdão encarava o Fluminense para seguir brigando pelo G-4 do Brasileirão daquele ano.

Comandado por Marcelo Oliveira, a equipe que no final do ano conquistaria a Copa do Brasil, teve em Lucas Barrios o grande nome da noite no Maracanã. Barrios que naquele dia preferiu jogar com a 8 ao invés da 10. Sorte dele, de Marília e do Palmeiras.

Com um hat-trick do paraguaio, o Palmeiras goleou o Fluminense por 4 a 1 e afundou o tricolor carioca na crise.

Mas aquela noite estava longe de terminar apenas com a demissão de Enderson Moreira.

Na Vila Mariana, Zona Sul de São Paulo, Marília Olivotti extravasou na comemoração da goleada.

"Eu e o pai dela , como todos Palmeirenses aquele dia, estávamos muito felizes com o hat-trick do Barrios. Nós éramos e ainda somos muito amigos. Nós nunca tivemos um relacionamento fora a amizade. E aquele dia foi a única vez que dormimos juntos. Mas ainda bem que fizemos né? Porque hoje temos o nosso maior tesouro: a Laura.
Não tem um jogo contra o Flu no Maraca que não me lembre aquele dia fatídico!", relembra com humor Marília.

Nove meses depois dos três gols de Barrios no Maracanã, nascia a já tricampeã da Copa do Brasil, Laura.

WhatsApp-Image-2019-09-11-at-16.03.16

"Não tinha como a Laura não ser Palmeirense né? Conheci o pai dela e a minha família Palmeiras, pelo Palmeiras. Desde a gravidez eu frequento o estádio. E sempre que posso levo ela comigo", disse a mãe toda orgulhosa da filha que hoje já é sócia Avanti.

WhatsApp-Image-2019-09-11-at-16.04.18 (Marília com seu irmão e a Laura em um jogo do Palmeiras no Pacaembu)

Ontem, o mesmo adversário, o mesmo mês de Setembro e mais uma vez um atacante do Palmeiras fez um hat-trick no Fluminense. Uma postagem de Marília no twitter chamou a atenção da nossa reportagem:

"Quando o Luiz Adriano marcou o terceiro gol ontem eu começei a rir sozinha. Estamos torcendo pra outros integrantes da turma trazerem mais palmeirenses pro mundo depois de ontem", brincou a torcedora que se mudou pra São Paulo em 2013, e desde então acompanha o Palmeiras de perto.

"Em 2013 fui aos jogos no Pacaembu. Em 2015 eu fui a todos os jogos no Allianz. O Palmeiras só me trouxe alegrias. Mesmo no rebaixamento. Conheci pessoas maravilhosas. Fiz amigos, ri, chorei e ganhei o meu maior tesouro: a Laurinha", finalizou Marília.

Relembre como foi Fluminense 1 x 4 Palmeiras pelo Campeonato Brasileiro de 2015:

  • Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim, 28 anos, detesta quem assiste ao jogo sentado e tem como grande ídolo Armando Nogueira. Formado em Jornalismo pela UMESP em 2012, cobriu a Copa do Mundo da Rússia pelo jornal Lance!