Palmeiras reduz em 25% os salários de atletas profissionais, Luxemburgo e dirigentes

Palmeiras reduz em 25% os salários de atletas profissionais, Luxemburgo e dirigentes

Foto: Cesar Greco/Ag. Palmeiras

O Palmeiras anunciou redução de 25% no salário em carteira do elenco, do técnico Vanderlei Luxemburgo e dos dirigentes Cícero Souza e Anderson Barros. A medida vale inicialmente para os meses de maio de junho.

A proposta prevê também a postergação dos pagamentos referentes a direitos de imagem dos atletas – os de abril serão divididos entre os meses de agosto e dezembro de 2020, enquanto os de maio serão divididos entre janeiro e junho de 2021. Todos os jogadores concordaram com as decisões, que são pontuais e serão avaliadas de forma recorrente.

“Vivemos um momento de uma crise de grandes proporções no mundo. Vários segmentos estão sendo afetados e com o futebol não é diferente. Existem situações em que disposição e comprometimento são imprescindíveis para se chegar a um bom termo. Temos que pensar no todo para conseguirmos avançar em direção a um benefício maior. A maturidade do nosso elenco foi fundamental para que chegássemos a uma solução boa para todos”, disse o presidente Maurício Galiotte.

Os trabalhos na Academia de Futebol foram interrompidos no dia 16 de março, seguindo as orientações das autoridades de saúde municipal, estadual e federal para garantir o distanciamento social e o combate ao coronavírus, e ainda não há data de retorno.
Inicialmente, os atletas receberam programas de treinamento individualizado, que foram realizados em casa e monitorados pelo Núcleo de Saúde e Performance (NSP).

No dia 26 do mesmo mês, acordou-se a concessão de férias para jogadores, comissão técnica e funcionários do departamento de futebol no período compreendido entre os dias 1 e 20 de abril. No último dia 15, as férias foram prorrogadas até 30 de abril.

Vanderlei Luxemburgo

“Desde o início da pandemia, eu tenho trocado bastante informação com o presidente Maurício Galiotte, com o Anderson Barros, com o Cícero Souza e feito videoconferências com os atletas. A partir dessas informações, o clube, por meio da sua diretoria e dos departamentos jurídico e financeiro, montou a proposta que o Anderson Barros apresentou aos atletas. Os jogadores entraram em um consenso e me contataram. Eu mostrei que cabia a eles aceitar a decisão ou não, e deixei claro que, o que eles resolvessem, eu, o Anderson Barros e o Cícero Souza estaríamos fechados com eles e também faríamos parte do acordo. Esta decisão democrática é a maneira que temos para contribuir com o equilíbrio financeiro do clube, a manutenção do seu quadro de funcionários e atravessar este momento da melhor maneira possível.”

Bruno Henrique

“Mantivemos contato com o Anderson e o Vanderlei desde o começo para analisarmos o melhor caminho. Nossa preocupação sempre foi com os funcionários e com o equilíbrio financeiro do clube. Nós, atletas, concordamos e apoiamos essa decisão porque estamos todos pensando em fazer o que for melhor para o Palmeiras, que é o mais importante. Nosso objetivo é que a instituição possa manter o equilíbrio financeiro, preservar seus funcionários e minimizar os efeitos negativos dessa pandemia.”

Dudu

“Estamos vivendo uma situação bem complicada e agora, mais do que nunca, é o momento de cada um olhar e cuidar do próximo. A gente não teve nenhum tipo de problema para chegar a uma solução para esse tema e tomamos a melhor decisão para todos os envolvidos. O Palmeiras, assim como outros clubes e empresas, possui muitos funcionários e todos são extremamente importantes. Espero que tudo se normalize o mais rapidamente possível e que, em breve, todos possam retomar suas atividades.”

Felipe Melo

“Tenho conversado constantemente com o professor Luxemburgo e chegamos a um consenso. O país passa por um momento de restruturação econômica por conta da pandemia que hoje afeta o mundo inteiro e este é um momento de unirmos forças para preservarmos o bem estar e a segurança de nossas famílias. Estamos agindo com responsabilidade e sendo flexíveis, buscando um equilíbrio em todas as pontas: clube, atletas, diretores, comissão técnica e funcionários diretos e indiretos. Tenho certeza de que construímos uma solução equilibrada com o consenso de todos. Temos uma história de sucesso aqui e precisamos respeitá-la para que nossos próximos capítulos sejam desenhados com excelência.”