Pelo 'sim' do futebol

Pelo 'sim' do futebol

O atual Palmeiras desiste muito fácil. Não se pode jogar fora tantas oportunidades em nenhuma competição, mas no Campeonato Brasileiro a pena é dura. Dois pontinhos ali contra a Chapecoense, outros três diante do Sport em casa, aqueles lá em Fortaleza, em Minas Gerais... E por aí se vai praticamente um turno inteiro e a chance de brigar lá em cima.

Ter um dos melhores elencos do país não é certeza de título, porém é obrigação brigar por todos. Obsessão não pode ser só pela América ou pela milionária premiação da Copa do Brasil. O Brasileirão é a principal competição da temporada e precisa ser encarado assim.

O ano passado parece que não serviu de aprendizado e corre-se o risco de 2018 acabar da mesma forma. É perigoso ir para o all in no mata-mata, mesmo que sejam “só” cinco jogos na Copa e outros oito na Libertadores. Basta um dia ruim, um erro individual e tudo se vai. Serão mais sete jogos no interminável mês de agosto e decisão toda semana. Apoiar-se na história de Felipão faz parte da paixão do torcedor. A razão mostra o quanto ele terá de trabalho em um período curto e sem poder errar. Seus três antecessores falharam com este grupo.

A campanha do “sim” pelo futebol precisa ser maior do que qualquer política, mandato ou reeleição. Pouco importa se agora serão 2+3 ou 3+3. O fato é que eram três, sobraram dois e precisa melhorar para não ficar sem nenhum.

(Crédito: Cesar Greco/Agência Palmeiras)

  • Rafael Bullara

    Rafael Bullara

    Formado em jornalismo, foi editor do Lance!, onde ficou por 12 anos. MBA em Gestão e Marketing Esportivo na Trevisan Escola de Negócios