Quem foi bem, quem foi mal, quem nem jogou: um resumo do 1° semestre alviverde

Quem foi bem, quem foi mal, quem nem jogou: um resumo do 1° semestre alviverde

Fotos: Cesar Greco/ Ag. Palmeiras/ Divulgação

O Palmeiras encerrou as suas atividades neste primeiro semestre de 2019 em ótima fase. Líder isolado do Brasileirão, o alviverde começou o ano de uma maneira turbulenta, mas parece ter entrado nos eixos para a reta final da temporada.

Fizemos um resumo sobre o atual elenco e do que poderá ser feito para a continuação do ano.

Confere aí jogador por jogador!

Weverton: Vive o melhor momento da carreira e é o goleiro titular de Felipão com méritos. Com uma saída do gol segura, o goleiro fez a torcida não sentir falta de dois ídolos da posição. Poderia até estar no grupo do Brasil para a Copa América.

Prass: Foi importante nas quartas e semi do Paulista, e segue sendo uma das peças mais chaves do elenco alviverde. Mesmo sem atuar muitas vezes, é o principal líder do elenco. Pode ser importante nos duelos de mata-mata das Copas.

Jaílson: O goleiro que menos atuou no ano, mas também quando jogou como sempre não comprometeu. Pode ser peça fundamental caso Weverton se machuque. O forte calendário faz-se necessário ter três goleiros de alto nível.

Mayke: Melhor lateral do Brasileirão de 2018, o camisa 12 perdeu espaço neste ano. Hoje é reserva da posição, mas sempre que entra corresponde, como fez nas oitavas da Copa do Brasil, com gol e assistência. Ultramente necessário para a agenda complicadíssima que o clube terá no 2°semestre.

Marcos Rocha: Um dos principais jogadores do Palmeiras em 2019. Atuações gigantescas, assistências importantes e até alguns golaços. Hoje é titular incontestável na lateral direita.

Diogo Barbosa: Parece ser outro jogador daquele que chegou em 2018. Veloz e explosivo no ataque, melhorou muito sua parte defensiva. É o titular incontestável na esquerda.

Fabiano: um dos atletas do atual elenco que não jogou em 2019. Autor do gol que garantiu o Enea Brasileiro ao Palmeiras, dificilmente jogará no resto do ano. Poderia ser emprestado.

Victor Luís: Imprescindível em 2018, a cria da base perdeu espaço no time de Scolari, mas quando joga também não compromete. Joga sério, atleta de grupo. Também deve aparecer mais no 2° semestre.

Antônio Carlos: Cresceu de produção nesta reta final de semestre. Mas diferente de 2018 não é mais o titular da zaga alviverde. Com Luan e Gómez em ótima fase, é um reserva necessário.

Dracena: Experiente. Um dos lideres do elenco. Peça importante na engrenagem de Scolari. Também será muito usado na segunda parte do ano.

Luan: Ao lado de Gómez não sofre um gol há quase mil minutos. Isso já resume o 2019 do ex-vascaíno na Pompéia. Jogando demais!

Gustavo Gómez: Melhor jogador do Palmeiras no ano, o camisa 15 além de defender uma enormidade também decide lá na frente. Um dos melhores batedores de pênalti do elenco. Atleta que é do Milan e será comprado pelo Verdão. Há quem diga que Gómez já é um dos melhores zagueiros que passou pelo Palmeiras neste Século.

47931410466_163c01cce0_z-1

Juninho: Outro atleta do elenco que não atuou em 2019. Com uma passagem terrível pelo clube em 2017, o zagueiro canhoto também deve aparecer pouquíssimo no segundo semestre. Porém não deve ser emprestado.

Felipe Melo: Depois de Gómez, o melhor jogador do Palmeiras no semestre. Suas honrosas atuações garantiram a sua renovação de contrato. Se manter a fase será peça imprescindível para o clube. Só precisa diminuir o número de cartões amarelos.

Thiago Santos: 'Cachorrão' de Scolari, o camisa 5 sempre se mostra necessário para algumas partidas. Um monstro no combate, deve seguir recebendo oportunidades sempre que necessário.

Jean: Jogou 2 vezes no ano e não mostrou que o clube acertou em sua renovação. Importantíssimo em 2016, deve seguir sumido em 2019.

Matheus Fernandes: Também atuou pouquíssimas vezes no ano, recebeu poucas chances de provar que valeu todo o investimento feito em se futebol. Dentro do clube, há conversas de que o jogador é muito bom nos treinamentos. Porém, com a chegada de Ramires, deve receber ainda menos chances.

Moisés: Outra peça que perdeu espaço como titular porém sempre é chamado para compor os famosos jogos menores. Fez gol nas oitavas da Copa do Brasil e pode ser importante no restante do ano. Tem identidade e respeito pela camisa que defende.

Bruno Henrique: Capitão do time campeão em 2018, é uma certeza inequívoca desse elenco. Titular absoluto, constância e técnica no meio campo, além de seguir a fase artilheira. É a alma do Palmeiras.

Zé Rafael: Com pouquíssimas chances recebidas no Paulista, o camisa 8 provou que a torcida estava certa ao pedí-lo tanto para Felipão. Hoje também é titular incontestável do Verdão.

48026886552_74f060b04c_z-1

Raphael Veiga: Outro jogador que atuou pouquíssimo no Paulista, mas que mostrou sua utilidade no Brasileiro. Inclusive fez falta nos pênaltis do Estadual, quando foi cortado. Muito elogiado por Felipão, camisa 23 deve crescer ainda mais no restante de 2019.

Lucas Lima: A prova do ótimo trabalho de gestão de Scolari. Quando todos já o tinham esquecido, recebeu uma sequência e foi importante para o clube nest reta final até a parada para a Copa América. É um jogador útil para o elenco.

Gustavo Scarpa: Artilheiro alviverde no ano com 7 gols, o camisa 14 perdeu espaço nos últimos jogos após uma lesão no tendão. Deve mostrar nos treinamentos que pode voltar a ser titular. Ótimo jogador.

Dudu: Continua sendo o jogador mais decisivo do elenco. Até quando não vai bem é importante. Rei das assistências e ídolo da nova geração, o camisa 7 costuma voar no segundo semestre.

47990202468_12175eff1e_z-1

Felipe Pires: Cansou de receber chances no Estadual, porém não demonstrou poder para jogar no Palmeiras de hoje. Deve encerrar seu contrato de empréstimo aparecendo poucas vezes.

Carlos Eduardo: a grande incógnita do Palmeiras em 2019. Contratado a peso de ouro, não demonstra em campo que o clube fez um investimento correto. Joga pouco e quando atua vai mal. Difícil de entender a contratação.

Miguel Borja: Faz o seu pior ano com a camisa do Palmeiras. Sonolento, disperso, não demonstra que sente vontade de sair dessa má fase. Pode e deve ser emprestado pelo clube.

Deyverson: sofreu resistência da torcida pela não ida ao futebol chinês, mas retomou o bom futebol de 2018 e é o 9 de Felipão. Faz gols e ajuda muito no sistema da equipe, importante demais.

Arthur Cabral: Outro que atuou pouquíssimas vezes no ano. Com apenas um gol com a camisa do Palmeiras, não conseguiu manter o ritmo que havia conquistado no Ceará. Com uma possível saída de Miguel Borja, sua presença será a ainda mais importante.

Hyoran: talismã de Felipão, quando ele joga a equipe não perde. Vindo do banco, é muito útil ao rodízio do elenco e na manutenção do bom rendimento da equipe. Sem status de titular, ele é peça importante dessa engrenagem.

Willian: quando estiver disponível após 6 meses de recuperação, terá vaga na equipe. Peça mais do que chave no time campeão de 2018, é adorado por comissão e torcida. Faz falta em qualquer time do Brasil. Sorte tê-lo de volta pro segundo semestre.

Guerra: sem jogar há 7 meses, o bom venezuelano ficou pra trás na fila de meio campista. Merece ser negociado para seguir a carreira vitoriosa em outro clube.

Felipão: craque do time. Marrento, teimoso e genial, sobra no Brasil. Comanda esse elenco com maestria e domina o complexo mundo do Palmeiras.

Paulo Turra: definitivamente o responsável pela parte tática do time, é centrado e se faz notar no modo de agir do Palmeiras. É absolutamente fundamental. Um dia, será técnico do alviverde.

46859531215_2150a5e9c1_z

  • Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim, 27 anos, detesta quem assiste ao jogo sentado e tem como grande ídolo Armando Nogueira. Formado em Jornalismo pela UMESP em 2012, cobriu a Copa do Mundo da Rússia pelo jornal Lance!

  • João Gabriel

    João Gabriel

    De família italiana e tipicamente alviverde, é de São Manuel, interior do estado. Se formou em Jornalismo pela USC/Bauru e é pós graduado em jornalismo esportivo pelo IPOG/SP.