Rogério Ceni volta ao Allianz Parque, estádio em que nunca venceu e teve a pior derrota como técnico

Rogério Ceni volta ao Allianz Parque, estádio em que nunca venceu e teve a pior derrota como técnico

(Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)

Mano Menezes no Palmeiras e Rogério Ceni no Cruzeiro. Essa combinação era improvável há dois meses, logo após a Copa América. O Palmeiras de Felipão era imbatíval, Mano o técnico mais longevo do futebol brasileiro em Minas e Ceni recolocou o Fortaleza na elite e vinha de dois títulos.

As coisas mudaram e o técnico do Cruzeiro, que chegou para ocupar a vaga do atual palmeirense, voltará ao Allianz Parque para fechar o turno no mesmo palco que abriu o Campeonato Brasileiro.

O Allianz não rende boas recordações ao ex-goleiro desde os tempos de jogador. Como capitão do São Paulo, foram duas derrotas: 3 a 0 no Paulista de 2015 e 4 a 0 no Brasileiro do mesmo ano.

Já como treinador, foram outras duas vezes e placares repetidos nos reveses: 3 a 0 no Paulista de 2017 pelo São Paulo e 4 a 0 no encontro recente, ainda pelo Fortaleza, na pior derrota de Rogério Ceni como técnico.

Do outro lado, o Palmeiras tem cinco confrontos diante da Raposa no Allianz, com uma vitória, três empates e uma derrota. Na única vez em que venceu o rival era treinado por Vanderlei Luxemburgo, na Copa do Brasil de 2015. As outras quatro aconteceram com Mano e ele jamais perdeu no estádio, tendo agora um triunfo também do lado verde, na estreia dele perto da torcida, contra o Fluminense por 3 a 0.

Neste sábado (14) às 19h será o quinto encontro de Ceni com o Allianz e o saldo contando jogador e técnico é de 14 a 0 contra. O time mineiro luta para se afastar da zona de rebaixamento e o Palmeiras, em caso de vitória, terminará com o seu melhor primeiro turno nos pontos corridos, com chance de acabar a primeira metade do torneio na segunda posição.

Flamengo e Santos se enfrentam no mesmo dia, às 17h no Maracanã. O Fla é líder com 39 pontos, dois à frente do Peixe. O Verdão tem 36 e ganha um posto se vencer e no Rio houver empate ou triunfo dos donos da casa.

  • Rafael Bullara

    Rafael Bullara

    Formado em jornalismo, foi editor do Lance!, onde ficou por 12 anos. MBA em Gestão e Marketing Esportivo na Trevisan Escola de Negócios