Sonho, persistência e Palmeiras: o caminho de Thaís

Sonho, persistência e Palmeiras: o caminho de Thaís

"Desde muito pequena, tive essa vontade de jogar bola, de querer emtrar em uma escolinha de futebol. Quando meus pais perceberam essa paixão que eu tinha com o futebol, e isso não demorou muito pra acontecer, já me levaram para treinar. O resto, é a minha história".

Esse trecho de entrevista se encaixaria perfeitamente na biografia das lendas do futebol. De Pelé à Ronaldo, de Zidane a Ademir, todo gênio sentiu, ainda moleque, que tinha uma intimidade a mais com a redonda e que precisa de alguém para fazer frutificar todo esse talento nato e foi assim que A nossa personagem deu vida à sua carreira de jogadora profissional. Conheçam Thais Ferreira, atleta da Socidade Esportiva Palmeiras.

Eduardo, Chiquinho, Cafu, Rogério e João foram os responsáveis por cuidar da formação de Thais que relembra os momentos em que além da comissão, teve o intenso apoio da família: "eles sempre iam comigo aos treinos, aos jogos e eles seguem assim até hoje". Com suporte em casa e na escola, a pequena garota que treinava ao lado apenas de meninos deixa a equipe rumo ao Guaraní para, enfim, jogar futsal com outras garotas, ainda que os meninos com os quais convivia tragam ainda boas memórias a ela:

"Eles me tratavam com muito carinho e muito respeito. Gostavam muito de mim!"

  • O caminho de Thaís, no Guaraní, seria alterado definitivamente por uma mulher chamada Ana Lúcia. A treinadora que esteve com ela acumulando conquistas até os 16 anos e depois dividiu o trabalho no clube da Ponte Preta, seria, mais tarde, a ponte entre o talento e o sonho. Contratada pelo Palmeiras na fusão dos paulistas com a cidade de Valinhos, Ana convidou Thaís para viver a conquista de ser jogadora da equipe mais campeã do país.

"A treinadora Ana me fez o convite para estar no elenco, me mostrou todo o planejamento e a estrutura que nos seria dada. O Palmeiras é gigante e isso não seria diferente com o futebol feminino. Isso me fez aceitar o convite e estar ao lado da torcida nessa nova temporada".

A adesão do Palmeiras ao futebol feminino, além de um cumprimento de ordem da Conmebol, é, acima de tudo, ainda que atrasado, o olhar dedicado às mulheres que tocam um duro danado para conquistar o sonho de fazer o que gostam e como Thaís diz, ela e sua treinadora entendem o tamanho da conquista que é jogar sob os cuidados de um grande clube.

"Desde a nossa apresentação está sendo tudo inexplicável, tudo está acontecendo, fomos muito bem recebidas, estão nos respeitando como atletas profissionais e dando todo o suporte para a preparaçaõ da equipe." A defensora de 22 anos também parece viver o sonho pelo carinho recebido da torcida. No Twitter, ela recebe mensagens aos montes desejando sorte sucesso.

"Não tenho palavras para descrever. É sensacional sentir toda essa gente nos abraçando, dando carinho e incentivo, é maravilhoso. Esperamos esse apoio durante os jogos todos, como incentivo. E vocês terão todo o nosso apoio, meninas. O Nosso Palestra é de vocês, das meninas que vestem verde e branco. Desejamos toda sorte do mundo ao Palestra mais forte que Brasil já viu.

Thaís Ferreira, muito obrigado por representar a voz do futebol feminino.

Tags:
  • João Gabriel

    João Gabriel

    De família italiana e tipicamente alviverde, é de São Manuel, interior do estado. Se formou em Jornalismo pela USC/Bauru e é pós graduado em jornalismo esportivo pelo IPOG/SP.