Um domingo de vitórias e coincidências

Um domingo de vitórias e coincidências

O Palmeiras venceu a Chapecoense neste domingo por 2 a 1 e entrou de vez na briga pelo título do Brasileirão 2018. O domingo, 2 de Setembro, ficará marcado pela primeira vitória do Verdão na história na Arena Condá e também pelas coincidências que marcaram esse dia.

O que não foi coincidência foi o belíssimo futebol apresentado por Felipe Melo. Com uma bela assistência para o gol de Hyoran, o 1° da partida, o camisa 30 provou pra si mesmo que quando está com a cabeça no lugar, pode sim ser um jogador fundamental para o elenco. Só precisa jogar com a bola no pé, e não com os pés nas canelas adversárias.

A primeira coincidência. A lei do Ex. Que fez o menino Hyoran marcar na sua cidade natal, no clube que o projetou para o futebol brasileiro. Ele claro, não comemorou, em respeito à tudo que a Chape passou nos últimos dois anos.

Veio o segundo tempo, e mais uma coincidência. Miguel Borja balançou as redes diante do adversário do seu Atlético Nacional na final da Copa Sul-Americana de 2016. Quis o destino que o jogo nunca acontecesse. O gol que Miguel queria fazer na lenda Danilo, teve que ser feito em Jandrei.

O Palmeiras poderia muito bem ficar mais uma partida sem sofrer gols no Brasileirão. Já eram seis. Mas Rafael Thyere subiu mais que todo mundo colocando um ponto final nessa coincidência, e na quarta colocação do Verdão. O gol colocou a SEP novamente no quinto lugar pelo saldo de gol.

O Palmeiras venceu mais uma no Brasileirão. Agora já são sete jogos sem derrota pelo Nacional. Uma segura coincidência como o time que acaba sempre com os 3 volantes de Scolari.

Por último e não mais importante. No dia em que meu amigo Mauro Beting completa 52 anos, o Nosso Palestra atinge 10 mil seguidores no twitter. Ainda é pouco. Como o desempenho desse time de Felipão, que pode muito mais.

Mas também dá muito orgulho. Como esse time do Felipão. Se não dá no brilho, a gente vai na raça. Se um não pode, os outros 10 correm por ele.

Assim se fazem times campeões. E o Palmeiras e o Nosso Palestra seguem vivíssimos nas três competições.

Coincidência.

  • Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim

    Gabriel Amorim, 27 anos, detesta quem assiste ao jogo sentado e tem como grande ídolo Armando Nogueira. Formado em Jornalismo pela UMESP em 2012, cobriu a Copa do Mundo da Rússia pelo jornal Lance!