Opinião: ‘Um clássico de imigrantes, brasileiros e quem mais quiser’

Um clássico feito por imigrantes foi feito para todos. É assim que deve ser

O Palmeiras não surgiu do nada. Foi criado por e para imigrantes. Feito pelos italianos que encontraram no Brasil uma chance de uma vida melhor. A esperança de um futuro mais próspero para eles e suas famílias.

A Portuguesa não surgiu do nada. Veio daqueles portugueses que viram num Brasil já independente a oportunidade de ter mais oportunidades. Deixaram suas casas e famílias para construir casas e famílias. Cultivar o sonho de uma vida próspera fugindo da pobreza em que viviam.

Relacionadas

Conheça o canal do Nosso Palestra no Youtube! Clique aqui.
Siga o Nosso Palestra no Twitter e no Instagram / Ouça o NPCast!
Conheça e comente no Fórum do Nosso Palestra

VEJA NO NOSSO PALESTRA
Gabriel Menino treina com óculos de realidade virtual na Academia de Futebol

Os dois se encontraram juntos com muitos outros. Italianos também estiveram na Mooca, portugueses no Vasco. Povos que se juntaram – mesmo separados – com ideias iguais. Em busca do que não tinham em suas terras, e em busca de títulos em uma terra nova.

Não precisou de um Abel Ferreira para a Portuguesa ganhar três paulistas. Inclusive, foi o Benfica que precisou de um Otto Glória para ser campeão diversas vezes. E a Seleção Portuguesa que também precisou do brasileiro para brigar por um mundial.

E se há tanto tempo isso era bom, por que hoje não seria? Por que hoje buscar uma vida melhor em outro lugar é malvisto?

Num mundo cada vez mais intolerante, é preciso olhar para trás para projetar o futuro. Entender os padrões que causaram tantas desigualdades e tiranias nos tempos passados para evitar que isso se repita em tempos futuros.

Olhar para a origem de um clássico que deixou de ser clássico. Olhar para a origem do próprio clube para pensar em como viemos até aqui.

Ninguém veio do nada. Todos temos história e ponto de partida. Seja há gerações em um mesmo lugar ou numa mudança constante por falta de oportunidades.

Não se pode olhar feio para quem é diferente. E não se pode fechar fronteiras ou mentir sobre insegurança para mascarar xenofobia e racismo. Seja no Brasil, em Portugal ou na Itália.

O Palmeiras é de todos, por que o mundo não há de ser?

Um clássico feito por imigrantes foi feito para todos. É assim que deve ser.