EXCLUSIVO: Ricardo Goulart relembra passagem pelo Palmeiras: ‘Não tenho nenhum arrependimento’

Principal contratação de 2019, atacante permaneceu apenas quatro meses vestindo camisa alviverde e falou com exclusividade ao NOSSO PALESTRA

Principal contratação do Palmeiras para a temporada 2019, Ricardo Goulart ficou apenas quatro meses vestindo a camisa do Verdão. Contratado por empréstimo de uma temporada junto ao Guangzhou, o atacante, em entrevista exclusiva ao NOSSO PALESTRA, relembrou as negociações com o Maior Campeão do Brasil.

Conheça o canal do Nosso Palestra no Youtube! Clique aqui.
Siga o Nosso Palestra no Twitter e no Instagram / Ouça o NPCast!
Conheça e comente no Fórum do Nosso Palestra

Relacionadas

– Depois do Cruzeiro, passei alguns anos na China, onde fui muito feliz, sem dúvida, mas nunca me desliguei 100% do futebol brasileiro. Acompanhei, de longe, como estavam as coisas por aqui e quando surgiu o Palmeiras na jogada eu não tive como recusar. Um time que elevou totalmente sua postura dentro e fora de campo, e houve esse interesse recíproco. Fizemos um esforço junto ao clube para fechar com o Palmeiras, e não tenho nenhum arrependimento nisso. Era algo que eu queria, minha família deu o apoio que precisava e a torcida veio em peso, então tudo se alinhou para que acontecesse – afirmou

VEJA NO NOSSO PALESTRA
CBF divulga áudio do VAR de expulsão de Gustavo Gomez contra Fortaleza

Alvo do Palmeiras durante algumas janelas de transferências e sonho do torcedor palmeirense durante um grande período de tempo, Ricardo Goulart afirmou que desde o início do interesse do Verdão as partes trabalharam para que o negócio fosse concretizado da melhor forma possível até por conta do seu respeito pela equipe chinesa.

– Não teve nenhum segredo com nenhuma das partes. Desde que chegou para nós esse interesse, até pelo meu status no Guangzhou, conversamos diversas vezes para chegar num acordo que fosse bom para todos os lados. No período que fiquei na China, nutri um carinho muito grande pelo clube, colegas, o clube… o país como um todo, né? Então não queria sair com o sentimento de deixá-los na mão de alguma forma. – disse

Apresentado para a torcida alviverde no Allianz Parque, o agora, ex-jogador, relembrou o início com a camisa do Maior Campeão do Brasil. Para ele, foi muito melhor do que imaginava e projetava.

– Eu cheguei e o time já era a base do que faria sucesso com o Abel nos anos seguintes. Claro que sempre que chegamos em um novo clube, queremos dar o nosso máximo e fazer a diferença, mas confesso que foi melhor do que eu esperava. A torcida é sensacional, o clube tem uma estrutura muito boa também, então tudo isso facilita para você trabalhar com a cabeça no lugar, e claro, demonstrar o motivo de eu ter sido contratado.

Quatro meses depois do seu anúncio e com apenas 12 partidas disputadas, Ricardo Goulart retornou para o Guangzhou a pedido do clube chinês. Com quatro gols marcados, o atacante recebeu uma proposta de renovação contratual de cinco temporadas e naturalização para defender a seleção chinesa. Gao Late, como ficou conhecido na China após a naturalização, relembra o período para decidir se aceitaria ou não a proposta.

– Como disse antes, no período na China eu nutri um carinho muito grande por tudo lá, e vendo a minha situação perante a seleção brasileira, optei por valorizar quem estava interessado no meu futebol, como foi o caso da seleção. É difícil pensar em “abandonar” o país, mas quando você se sente parte de outro lugar, acredito que é a coisa certa a se fazer. Não foi apenas o clube que tive de deixar para trás, mas também ao meu nome de registro e tudo que envolvia meus documentos pessoais, então foi uma decisão que precisei pensar muito a respeito, mas meu coração sentia que era o certo a se fazer. – relembrou

Desde a saída do Palmeiras, o atacante atuou também pelo Hebei, da China, e retornou ao Brasil para atuar no Santos e no Bahia. Em abril deste ano, Goulart anunciou a aposentadoria do futebol aos 31 anos de idade. O ex-jogador relembrou o início de trajetória das Crias da Academia que, desde 2020, figuram, de maneira definitivo, no elenco profissional do Verdão.

– No período que passei lá, em alguns treinos, uns dos meninos treinavam com a gente, e logo de cara percebemos que existia algo de diferente ali na Academia de Futebol. A base do time já existia, então esses jovens que foram surgindo, foram bem potencializados tanto pelo elenco mais experiente, como pela comissão que realizou todos os trabalhos necessários. Esse processo de renovação acontece de forma natural nos times grandes, então estamos bem acostumados com essa situação, mas, a diferença é que essas últimas safras do Palmeiras foram especiais, com muitos jogadores de qualidade e em diversas posições, não tinha como não comentar sobre isso. – finalizou