Humberto Tozzi, o grande

Começa a manhã do dia 9 de agosto.

Por entre ares pesados de um dia seco, colorido por raios solares teimosos que insistem em dar uma cara de verão em pleno inverno Paulistano, o dia do jogo mais importante do ano Palmeirense de 2017 está começando com uma torcida que sonha.

Relacionadas

Logo mais a noite o Palmeiras entrará em campo para buscar uma vitória por dois gols de diferença, por gols que nos possibilite seguir vivendo esse sonho nosso de vencer novamente a Copa Libertadores da América. O adversário é um apêndice nessa história.

Barcelona de Guayaquil, time equatoriano, foi tão somente chato no primeiro jogo. De maneira fortuita achou um gol, de maneira previsível, vem a São Paulo para tentar atrapalhar algo que é muito esperado por toda a Gente Verde. Todavia o dia ajuda: Em um 9 de agosto de um outro ano, em uma outra época de um outro mundo que hoje existe apenas em verso, o Palmeiras receberia em suas linhas um dos maiores jogadores de sua história.

Em 9 de agosto de 1953 era a hora e a vez de Humberto Tozzi chegar ao Parque Antártica…

Um camisa 8 que chega para balançar as redes

Uma outra cidade: São Paulo era menor, mais horizontal, sem tantos prédios, sem nada para arranhar o céu que até então protegia a charmosa metrópole que se iniciava.

O dia era de agosto, 9 como hoje, o Palmeiras também teria jogo, o campeonato era o Paulista de 1953 o time oscilava, nossas Gentes também estavam receosas e na fina garoa que banhava São Paulo de então, o Verde entraria em campo pra enfrentar o Ypiranga no Pacaembu.

O antigo time da Grande São Paulo era chato de se jogar, já tinha tomado pontos da Portuguesa e outros, mas o Palmeiras vinha com uma novidade, vinha com a história vestida de camisa 8 verde e branca.

Humberto Tozzi, atacante contratado junto ao São Cristovão do Rio De Janeiro, chegava com todas as credenciais necessárias para ser um dos Grandes. Fora artilheiro no campeonato carioca jogando pelo minúsculo time do subúrbio. De lá, foi convocado para defender a Seleção Brasileira em Helsinque, nos jogos olímpicos da Finlândia e com esse currículo chegava para estrear no Palmeiras.

Não decepcionou…

Em um time poderoso, com jogadores como Liminha, Jair Rosa Pinto, Waldemar Fiúme entre outros, o Palmeiras meteu um retumbante 5×2 no Ypiranga e Humberto fez o primeiro dos seus 126 gols com a camisa Verde. Uma estréia de gala para um jogador que fez história dos anos seguintes.

Humberto foi artilheiro nesse campeonato com 22 gols e em 1954 com impressionantes 36 tentos assinalados. Foi para a Copa do Mundo na Suíça como titular ao lado de Didi e Julinho Botelho e depois passou uma temporada na Lazio da Itália para voltar em 1960 para o Palmeiras.

Nesse ano, ajudou o Verde a vencer seu primeiro campeonato Brasileiro em 1960 e encerrar um ano depois sua trajetória no alvi verde com a impressionante média de 0,95 gols por jogo.

Hoje?

Para a noite o Palmeiras vai precisar de seus atacantes. Temos uns bons. Tem Dudu, tem o impávido e possante Deyverson, tem no banco a incógnita de nome Borja e tem toda nossa esperança para ir pra cima do Barcelona genérico. Vamos torcer.

Que de alguma forma nesse dia 09, as lembranças de um Gigante como Humberto Tozzi nos ajude.

Vamos torcer Verdes. Vamos torcer…