Especial Libertadores-99: Palmeiras 3 x 0 River Plate, em 26/05/1999

Especial Libertadores-99: Palmeiras 3 x 0 River Plate, em 26/05/1999

À tarde naquela quarta-feira, horário de Brasília, em Barcelona, em dois minutos o Manchester United virou a final da Champions contra o Bayern de Munique e se classificou para a final do Mundial de Clubes, em novembro, no Japão. À noite, no Palestra, o Palmeiras devolveu a derrota por 1 a 0 em Núñez para o River Plate na ida, na semifinal, com um clássico e histórico 3 a 0. Um show de Alex, em sua melhor partida pelo Palmeiras. Marcando os dois primeiros gols o Verdão num intervalo de 1min50s.

"Não fui eu que deu a classificação para a final. Foram os torcedores e a nossa equipe, que soube se fechar" depois de um início de temporada instável. Enfim Alex tinha o imenso talento reconhecido. "Desse jeito, com essa determinação, vamos ganhar esse título", disse o já canonizado Marcos, que fez mais três grandes defesas.

Com 9 minutos, Oséas ja cabeceou uma bola na trave. Zinho quase abriu o placar aos 11, em tiro de longe depois de boa jogada de Oséas. Aos 16, Alex se livrou de Berizzo depois de belo passe de Zinho e fez 1 a 0. Aos 18, Roque Júnior ampliou de cabeça, no cruzamento de Oséas, fazendo o gol que já classificava o Palmeiras. Ele substituía o lesionado Cléber, numa zaga remendada, com Agnaldo no lugar do suspenso Júnior Baiano, e de Rubens Júnior de volta ao time na latera-esquerda, substituindo o suspenso Júnior.

Aos 22, Paulo Nunes fez grande lance e mandou por cima. Agnaldo impediu que o River diminuísse, aos 27. O time argentino só foi melhorar na segunda etapa, quando deu companhia ao isolado atacante Angel, com Ramón Diaz tirando o terceiro zagueiro millonario.

A partir dos 10 minutos, o River chegou com perigo 4 vezes. Gallardo bateu falta para boa defesa de Marcão, aos 13. Aos 15, bomba de Berizzo em cobrança de falta e outra importante defesa do goleiro alviverde. O Palmeiras só responderia com Paulo Nunes, mandando outra bola na trave, aos 24.

Aos 29, Oséas perdeu grande chance ao dominar errado uma bola na frente de Bonano. O goleiro dividiu o lance e iniciou belo contragolpe que acabaria em espetacular defesa de Marcos.

Felipão enfim colocou Euller no ataque, e reforçou o meio-campo com Galeano. O atacante que foi heroi contra o Flamengo, uma semana antes, perdeu três grandes seguidas. Uma delas mandando a terceira bola na trave da meta argentina.

O jogo estava lá e cá quando Alex marcou outro golaço, aos 42, encobrindo Bonano, depois de assistência de Paulo Nunes. Gol parecido com o que ele faria na própria despedida da carreira, no Allianz Parque, em 2015.

O adversário palmeirense na decisão seria o Deportivo Cali, que superou o Cerro Porteño na outra semifinal. Perdeu o jogo de volta por 4 a 2 no Paraguai. Mas, na ida, na Colômbia, goleou por 4 a 0.

A Mancha Verde estava banida dos estádios. Mas conseguiu estender faixa em prédio vizinho e fez manifestro contra a mídia que acreditava torcer contra.

Os 32 mil ingressos disponíveis estavam esgotados. Muitos cambistas venderam bilhetes falsos. Muitas filas se formaram nas catracas exatamente pelos ingressos que eram recusados.

PALMEIRAS 3 X 0 RIVER PLATE
Libertadores da América/Semifinal
Quarta-feira, 26/maio (noite)
Palestra Italia
Juiz: Gustavo Méndez (URUGUAI)
Renda: não disponível
Público: 32 mil
PALMEIRAS: Marcos; Arce, Roque Júnior, Agnaldo e Rubens Júnior (Tiago Silva); César Sampaio, Rogério (Galeano) e Zinho; Alex; Paulo Nunes e Oséas (Euller)
Técnico: Luiz Felipe Scolari
Gols: Alex 16 e Roque Júnior 18 do 1º; Alex 42 do 2º

  • Mauro Beting

    Mauro Beting

    Mauro Beting é comentarista do Esporte Interativo e da rádio Jovem Pan, blogueiro do UOL, comentarista do videogame PES desde 2010. Escreveu 16 livros, e dirigiu três documentários para cinema e TV.