Análise: Palmeiras precisa contar com juízo ao invés de sorte em três finais restantes

Verdão depende só de si na luta pelo título do Campeonato Brasileiro e deve manter poder de reação

O Palmeiras empatou com o Fortaleza em 2 a 2 no último domingo (26), pelo Campeonato Brasileiro, depois de sair atrás duas vezes no placar. Líder da competição com 63 pontos somados, o Verdão depende apenas de si para ser campeão e precisa contar com juízo ao invés de sorte nas três finais que restam.

Conheça o canal do Nosso Palestra no Youtube! Clique aqui.
Siga o Nosso Palestra no Twitter e no Instagram / Ouça o NPCast!
Conheça e comente no Fórum do Nosso Palestra

Relacionadas

O time de Abel Ferreira entrou com uma postura incabível para o tamanho da responsabilidade. A defesa viveu uma espécie de “apagão” do início ao fim, que comprometeu o restante da atuação dos demais companheiros. Murilo não desempenhou da melhor maneira já que, ao lado de Mayke, cometeu erros críticos e colaborou para a expulsão de Gómez.

O capitão paraguaio novamente não fez uma boa partida, mas o cartão vermelho aconteceu por conta de uma falta necessária para consertar a falha do companheiro de zaga. Fato é que a defesa do Palmeiras precisa voltar aos eixos para que o time seja o espelho de algo sólido.

VEJA NO NOSSO PALESTRA
Confira gol marcado por Raphael Veiga em empate do Palmeiras com Fortaleza

A individualidade de Raphael Veiga demorou para aparecer, mas apareceu. O meia é uma das “válvulas de escape” do Palmeiras de Abel, já que soma dois gols e três assistências nos últimos seis jogos. Zé Rafael segue com moral no meio-campo pela atitude firme na marcação e lapsos ofensivos que originam gols.

O ataque precisa voltar a chegar mais “junto”, compactar. Breno Lopes e Endrick jogaram distantes um do outro e dos atletas do setor de transição, o que fez com que a marcação adversária soubesse o que fazer para impedir qualquer toque.

Além de ajustes técnicos e táticos, o Palmeiras precisa recuperar a postura vitoriosa que o levou até a liderança do Brasileirão. Precisa entrar nos três jogos que faltam com mentalidade de “tudo ou nada”, com atenção e mais juízo que sorte para que, assim, depender de si não se torne o maior dos problemas.