Em podcast, Mauro Beting relembra emoção na final da Libertadores

Jornalista relembrou histórias envolvendo o Verdão e o jornalismo, além de explicar por que seu pai, Joelmir, deixou o jornalismo esportivo

Lançado há dois dias, o Podporco, novo podcast sobre o Palmeiras em parceria com o ex-setorista do Palmeiras Gabriel Amorim e seu amigo Eun Kim, estreou com um convidado mais que especial. Para falar de histórias alviverdes, o jornalista Mauro Beting foi chamado para começar o novo programa.

Conheça o canal do Nosso Palestra no Youtube! Clique aqui.
Siga o Nosso Palestra no Twitter e no Instagram
 / Ouça o NP Cast!

Relacionadas

Quando foi perguntado sobre a final da Libertadores, Mauro falou que foi difícil segurar a emoção quando saiu o gol de Breno Lopes, mas deu mais um significado às suas lágrimas, já que estava trabalhando.

-Foi demais. Quando sai o gol, eu começo a chorar de uma maneira que eu nunca chorei num gol do Palmeiras. Na Jovem Pan, eu me seguro. Quando você tá trabalhando, você não é pago para ser torcedor – até porque não tem preço ser torcedor. Quando sai o gol, você vai olhar pro árbitro e pensar no que vai falar. Eu não sou pago para torcer. Antes, sem as câmeras na TV, eu dava uma comemoradinha. Naquele caso, comecei a chorar pela saudade dos meus filhos, do meu irmão, do meu pai, da minha mãe. Eu tava tão enlouquecido que eu ia voltar no dia seguinte, mas um amigo meu me disse que ia voltar de carro, de madrugada. Alugamos o carro no aeroporto e fomos para São Paulo.

Ele também fez questão de lembrar do porquê seu pai, Joelmir Beting, torcedor fanático, deixou o jornalismo esportivo para migrar a editoria de economia nos jornais. A paixão palmeirense falou mais alto que a vocação para os esportes.

-Meu pai largou o jornalismo esportivo por causa do Palmeiras. Num dérbi Palmeiras e Corinthians no Pacaembu em 1962. Se não me engano, foi 3 a 3, Palmeiras empatou no final. Meu pai, em nome da Sociedade Esportiva Jornalismo, ali na tribuna de imprensa, começou a ‘dar banana’ para a torcida do Corinthians. A torcida, com razão queria bater no meu pai. Ele saiu escoltado, chegou na redação, escreveu o texto que lhe cabia e escreveu a carta de demissão, não só o do jornal, mas como do jornalismo esportivo.

Disponível em todas as plataformas digitais, o programa contará com episódios semanais, com a participação de torcedores alviverdes ilustres, contando com ex-jogadores, ex-diretores, atores, atrizes, cantores.

LEIA MAIS:

Universidad Católica-CHI x Palmeiras: onde assistir ao duelo pela Libertadores, arbitragem e escalações
Palmeiras e Universidad Católica chegam às oitavas da Libertadores com disparidade no número de jogos
Zagueiro Michel renova contrato com o Palmeiras até 2026