Rony atravessa maior jejum da sua carreira profissional

Atacante chegou com grandes expectativas ao Palmeiras, mas ainda não foi à rede

Após sagrar-se campeão da Copa do Brasil pelo Athletico, Rony chegou ao Palmeiras cercado de grandes expectativas. Logo na sua coletiva de apresentação, o atacante destacou sua vontade de “mostrar a que veio”.

Entusiasmo esse que, aos poucos, se confunde com afobação dentro de campo. Com a camiseta do Verdão, já são 15 jogos disputados e nenhuma bola na rede. Jejum esse que supera o de 2016, quando ele ainda defendia as cores do Náutico, e se torna o mais longo da sua carreira profissional.

Relacionadas

Boa atuação. Menino quando foi pro meio mesmo jogou muito, na ponta nao rende tão bem. E BH hoje foi bem, nao entendo pq saiu naquele momento. Rony precisa melhorar pra ficar ruim. Mesmo com tudo isso a atuação foi muito boa.— Jedson ⓟ🐷ⓟ (@JedsonF23) August 23, 2020

Pelo Furacão, equipe na qual também foi protagonista na campanha do título da Sul-americana de 2018, Rony amargou um período consideravelmente menor sem ir à rede, com oito partidas.

Em comparação com Luiz Adriano e Willian, atacantes que receberam mais oportunidades durante o Paulistão 2020, o ponta-esquerda apresenta a maior média de finalizações por partida, com 1,6.

No quesito efetividade dos passes, ainda de acordo com dados do SofaScore, o camiseta 11 do Verdão tem uma taxa de 74%, enquanto Luiz Adriano e Willian ultrapassam os 80%.

Pela Libertadores, o aproveitamento é ainda mais preocupante. Rony ostenta não só a maior média de finalizações, como também o primeiro lugar no time em grandes chances perdidas, com três em ambas as estatísticas.

Após quatro rodadas no Campeonato Brasileiro, o ex-jogador do Athletico ainda não emplacou uma partida inteira em campo. Em números gerais, são 58 minutos por jogo e nenhuma grande chance criada.

Depois de vencer o Água Santa por 2 a 1, em partida válida pelo Campeonato Paulista, Vanderlei Luxemburgo foi questionado a respeito do desempenho de Rony.

“Rony é uma situação complicada. O CAP era um time que jogada reativo e ele era um jogador de velocidade. Agora, no Palmeiras, ele é pró-ativo. Quando tem uma equipe dando espaço, ele vai embora. Aquela que não tem, ele tem problema. Temos que encontrar um jeito de ele entender que vai ter que fazer tabela, drible mais curto, vai ter que dar uma opção pros companheiros darem uma bola pra ele em 10 ou 15 metros para o gol. Esse é o trabalho que faremos com ele”, declarou o treinador.

Diante de uma semana sem jogos pelo Campeonato Brasileiro, Luxemburgo terá nova oportunidade para encaixar Rony na dinâmica do elenco, uma vez que a torcida está prestes a perder a esperança.