Palmeiras de todos e por cada um

Palmeiras de todos e por cada um

Palmeiras de todos, a campanha com a alma do Periquito tabelando com o espírito de porco, ficou animal. Não só como Edmundo. Como todos os cães que protegem a nossa área, raivosos ou não, ela é leal aos princípios palestrinos que viraram palmeirenses. Do clube de todos os italianos em São Paulo ao maior campeão do Brasil. O que não pôde continuar Palestra Italia e depois nem Palestra. O que precisa continuar como esse Palmeiras qucoe era só de italianos e oriundi. Virou de todas as praças e campos. Precisa mesmo ser em qualquer canto que cantamos que somos Palmeiras não até morrer. Pela vida. E por todas as outras vidas.

O Palmeiras como qualquer clube não é um clube qualquer. Por isso precisa de sua gente que é nossa família. Não somos nação, não somos bando, não somos elite, não somos só de um povo ou pretendemos ser de todo o povo.

Somos de todos os povos. Por isso precisamos abraçar o Palmeiras como ele nem sempre nos deixa abraçar. Sem ingresso não conseguimos ficar perto do Allianz Parque. Sem tanto dinheiro não conseguimos pagar o Avanti! Com tantas barreiras não conseguimos fazer o que mais gostamos. Ficar perto do Palmeiras.

Sem política e partidarismo. So palestrinos e palmeirenses. Já tentaram nos calar e tirar de casa, nos afundar ou refundar. Não colou. Não podemos nos descolar. Somos família. A que briga por WhatsApp. A que se reuniu agora para celebrar as festas. E de festas a gente entende. A que vive aconselhando. A quem não pode viver do Conselho por uma vida. Nem com tantos vitalícios.

Basta de bestas e bostas. De birras e burrices. Brutalidades e futilidades. O Palmeiras é onde a gente se inclui, não se exclui. Aqui cabe quem joga pela direita ou pela esquerda, quem articula pelo meio, quem ataca e defende por todos os lados. Só não cabe o que não tem cabimento: intolerância. Preconceito. Violência. Ignorância. Exceção. Exclusão.

Não temos preço. Temos valor. Não estamos à venda. Ninguém nos compra, de fora pra dentro, e ainda menos de dentro pra fora. Somos parceiros da Sociedade Esportiva. Jogamos junto com quem chega. Mas dentro da regra.

O Palmeiras é de todos. O único ponto em comum é o Palestra. Nosso ponto de partida é o Palmeiras.

  • Mauro Beting

    Mauro Beting

    Mauro Beting é comentarista do Esporte Interativo e da rádio Jovem Pan, blogueiro do UOL, comentarista do videogame PES desde 2010. Escreveu 16 livros, e dirigiu três documentários para cinema e TV.