É obrigatório pensar em 2020. Com Mano Menezes?

É obrigatório pensar em 2020. Com Mano Menezes?

(Foto: Cesar Greco/Agência Palmeiras/Divulgação)

O Palmeiras passará por transformações para 2020. A pressão sobre o comando de futebol é grande e faz sentido depois dos erros milionários.

A situação financeira não permitirá novos equívocos. É obrigatório ser assertivo nas contratações. Uma outra questão: Mano Menezes é o nome correto para participar desta reformulação?

Mano chegou com resistência - exagerada - da torcida e começou a virar o jogo desde a sua apresentação. Inteligente, ótima oratória e resultados positivos logo no início ajudaram a acreditar que algo poderia ser diferente. Não foi.

O desempenho de 70,3% de aproveitamento esconde a dificuldade do Palmeiras competir com times da parte de cima da tabela. Das 11 vitórias do treinador no Brasileiro, somente o São Paulo ocupava a primeira metade da classificação. Dos quatro jogos que faltam, Fluminense e Cruzeiro lutam contra o rebaixamento, o Flamengo é o campeão e o Goiás vislumbra uma vaga na fase preliminar da Libertadores.

Mano pegou o Palmeiras a seis pontos do Flamengo e com um jogo a menos. Hoje, a diferença mais que dobrou.

A última vez que um treinador trabalhou na Academia de Futebol de janeiro até dezembro foi Gilson Kleina, em 2013. São seis anos com trocas durante a temporada. Nem Felipão passou ileso, mesmo com título.

O desempenho dentro do campo não é garantia para Mano Menezes começar o ano no cargo e o apoio de Alexandre Mattos não faz diferença. Pelo contrário. A chance de precisar recomeçar no meio da temporada, mais uma vez, é grande.

  • Rafael Bullara

    Rafael Bullara

    Formado em jornalismo, foi editor do Lance!, onde ficou por 12 anos. MBA em Gestão e Marketing Esportivo na Trevisan Escola de Negócios