Pensando no impacto que pode causar na Libertadores, vitória sobre o Barranquilla tornou-se fundamental para o Palmeiras

Pensando no impacto que pode causar na Libertadores, vitória sobre o Barranquilla tornou-se fundamental para o Palmeiras

O cenário que o Palmeiras tem a chance construir na Copa Libertadores da América com uma vitória sobre o Junior Barranquilla no próximo dia 16 de maio é assustador para o adversário das oitavas de final. Entretanto, um tropeço diante dos colombianos levantará suspeita para uns, gerará confiança em outros e um cenário menos assustador para todos. Portanto, vamos analisar os dois cenários e reparar nas diferenças.

  • Uma vitória diante do Junior Barranquilla, rodando o elenco por conta da forte sequência até a Copa do Mundo, pode tornar horripilante a sensação de ser adversário do Palmeiras no mata-mata.

A equipe sorteada terá pela frente um Palmeiras que alcançou as oitavas de final da Copa Libertadores com duas rodadas de antecedência atuando em um grupo da morte. Além disso, utilizou reservas nos seus últimos dois confrontos e venceu as partidas, concluindo a fase de grupos com a melhor campanha entre todos os clubes. São cinco vitórias e um empate, cujo gol do adversário foi marcado no último lance da partida. Dentro dessas cinco vitórias, três delas aconteceram fora de casa. O adversário terá de enfrentar o melhor ataque e uma das melhores defesas da competição, fato que gerou confiança suficiente para manter o Boca Juniors, atual campeão argentino, no mata-mata da Libertadores ao nem cogitar entregar o último jogo para o Junior Barranquilla. A conclusão é de que o Palmeiras é uma parada mais do que dura. É a parada mais dura dessa Libertadores.

  • Um tropeço diante do Junior Barranquilla (que não envolve uma entrega de resultado), rodando o elenco por conta da forte sequência até a Copa do Mundo, pode tornar mais amena a sensação de ser adversário do Palmeiras no mata-mata.

A equipe sorteada terá pela frente um Palmeiras que alcançou as oitavas de final da Copa Libertadores com duas rodadas de antecedência atuando em um grupo da morte. Porém, ao rodar seu elenco, tropeçou na única partida que realmente valia algo para o adversário, contra o Junior Barranquilla. São quatro vitórias e dois tropeços. Três dessas quatro vitórias aconteceram fora de casa, sendo uma delas contra o Alianza Lima, adversário que entrou em campo já eliminado. No Allianz Parque, tropeços contra Boca Juniors e Junior Barranquilla, os dois adversários perigosos do grupo. Diante dos colombianos, aliás, o Palmeiras desperdiçou a chance de ser o primeiro colocado geral da primeira fase deixando titulares fora do jogo. Para alguns, a intenção foi eliminar o atual campeão argentino, que poderia ser um risco no mata-mata. A conclusão é que o Palmeiras não conseguiu provar sua força em casa e nem mesmo a força do seu elenco. Por conta disso, quis eliminar uma parada argentina dura no mata-mata ao não confiar tanto no seu taco.

  • A vitória sobre o Junior Barranquilla tem grande efeito na forma como o Palmeiras será encarado e analisado pelo adversário que vai enfrentá-lo no primeiro mata-mata da Copa Libertadores da América de 2018.

Para os brasileiros, é melhor que esteja na cabeça do adversário o temor de enfrentar um clube que passou o trator no seu grupo utilizando titulares e reservas sem se incomodar em deixar o atual campeão argentino vivo na competição, do que um Palmeiras que oscilou em casa, não provou a tão falada grande força de seu elenco e supostamente temeu enfrentar o Boca Juniors na fase de mata-mata. Por isso o jogo do dia 16 de maio, no Allianz Parque, vale bem mais do que apenas a primeira colocação geral da primeira fase.

  • Rodrigo Fragoso

    Rodrigo Fragoso

    Formado em Jornalismo na Faculdade Cásper Líbero e especializado em gestão, direito e marketing esportivo pela FIFA/CIES/FGV.